Nicarágua realiza fórum sobre violência contra a mulher

O Parlamento nicaraguense promoverá nesta quinta-feira (24) um fórum sobre violência de gênero no país, para divulgar duas recentes legislações que pretendem oferecer amparo às mulheres contra diferentes tipos de agressões e violações a seus direitos.

A Lei Integral contra Violência para as Mulheres e de reformas ao Código Penal, aprovadas pelos deputados em janeiro, servirão de base para o intercâmbio com a participação de especialistas em direito, assuntos policiais, trabalho comunitário e direitos humanos.

No evento, promovido pela Comissão de Assuntos da Mulher, Infância, Juventude e Família da Assembleia Nacional, intervirão como palestrante a presidenta da Corte Suprema de Justiça, Alba Luz Ramos, e a diretora da delegacia da Polícia especializada nestes temas, Erlinda Castillo. A Procuradora Especial da Mulher, Débora Grandison, também estará presente.

Esta convocação não constitui um fato isolado; diversos fóruns nacionais e territoriais foram realizados para sensibilizar diferentes setores e oferecer informações sobre a necessidade de criar políticas preventivas e aumentar as sanções em defesa das nicaraguenses.

A Lei Integral contra a Violência para as Mulheres concebe campanhas de difusão, penas mais severas aos culpados e medidas socioeducativas que evitem a reincidência.

Com uma visão ampla, a norma qualifica e inclui condenações para os casos de agressão física, psicológica, sexual, patrimonial, econômica e trabalhista, enquanto proíbe aos meios de comunicação usar a imagem da mulher como objeto sexual comercial e fomentar a violência para elas.

Em recentes declarações, a deputada Marta Marinha González, titular da Comissão Juventude, Infância e Família, considerou a importância do trabalho educativo, pois na Nicarágua “há toda uma cultura patriarcal, que vem de geração em geração, e esses valores negativos se vem transmitindo e reproduzindo”.

 

 

Fonte: Vermelho

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=