Abusada por treinador, nadadora tem crise nervosa após entrevista de Xuxa

Joanna Maranhão sofreu e usou o Twitter para dar explicações

A nadadora Joanna Maranhão tem enfrentado dias agitados. Na última sexta-feira (18), uma lei federal que leva o seu nome foi aprovada em Brasília. A nova lei altera o tratamento da Justiça a crimes de pedofilia e também estupro e atentado violento ao pudor praticados contra menores de idade.

Em fevereiro de 2008, a atleta do Flamengo deu uma entrevista explosiva e declarou que havia sido abusada por um ex-treinador. Joanna se sensibilizou ainda mais quando a apresentadora Xuxa Meneghel revelou ao Fantástico que também havia sido abusada quando criança.

Segundo o Flamengo, a nadadora teve uma crise nervosa na última terça-feira (22) em decorrência da repercussão do caso Xuxa e da aprovação da lei. Com toda agitação ao redor de seu nome, os médicos do rugro negro recomendaram à Joanna que ela evite dar declarações públicas sobre o caso.

A divisão de esportes olímpicos do Flamengo afirmou que a atleta deve manter o foco nos Jogos de Londres e que deve evitar distrações a respeito do caso Xuxa e da nova lei. Joanna se classificou para as Olimpíadas após atingir índice olímpico nos 400 m medley e deve concorrer em três provas.

No domingo (20), a atleta pernambucana desabafou no twitter enquanto assistia à entrevista de Xuxa ao Fantástico.

– Meu Deus, Xuxa está falando por mim, é isso?

A nadadora recebeu inúmeros telefones após a revelação de Xuxa, mas preferiu não se pronunciar. Joanna utilizou apenas a rede social para relatar algumas lembranças.

– Cheiro, ela disse que lembra do cheiro, Meu Deus, é a lembrança mais forte.

Na noite de terça-feira, depois de todo tumulto, a atleta ainda teve tempo para agradecer.

– Dia difícil que chegou ao fim e eu sobrevivi, porque a vida é muito linda pra não ser vivida ao extremo!

A lei 12.650 defende que a contagem de tempo de prescrição dos crimes sexuais contra crianças e adolescentes começa na data em que a vítima completar 18 anos, caso o Ministério Público não tenha aberto ação penal contra o agressor anteriormente.

O senador Magno Malta (PR-ES) também ficou sensibilizado com o caso das duas brasileiras e quer que Joanna e Xuxa assinem a sanção da nova lei. Malta afirmou que vai entrar com um pedido junto à presidente Dilma Roussef para oficializar o convite.

 

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=