Violência de gênero é tema de debate gratuito no Campo Limpo, em São Paulo

No dia 11 de setembro, terça-feira, o Usina de Valores e a Universidade Anhanguera – Campo Limpo realizam o debate público “Pela vida das mulheres: desconstruindo o patriarcado“. Gratuito e aberto ao público, o objetivo é proporcionar um diálogo sobre o ciclo de violência que atinge mulheres no Brasil e no mundo. O evento acontece das 19h30 às 21h30.

enviado por Semayat Oliveira para o Portal Geledés

imagem: IPV

A mesa será formada por Mafoane Odara, psicóloga e coordenadora de projetos no Instituto AVON, Priscila Gadelha, psicóloga e integrante da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas (Renfa) e Elânia Francisca, psicóloga e educadora em educação sexual. Durante a conversa, os artistas Helder Oliveira e Fábio Silvestre farão uma intervenção com o projeto “Afeto na Lata“.

No Brasil, a taxa de feminicídios é de 4,8 para cada 100 mil mulheres – a quinta maior no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). E de acordo com o Relógio da Violência, do Instituto Maria da Penha, a cada 7.2 segundos uma mulher é vítima de violência física.

Recentemente, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentou os resultados preliminares de uma pesquisa sobre a qualidade do atendimento do Judiciário às mulheres vítimas de violência. O resultado mostra a existência de problemas na resolução dos casos de violência de gênero. Entre eles está a falta de juízes em audiências judiciais de violência doméstica e insuficiência do atendimento psicossocial às vítimas.

Além disso, o estudo indica que as mulheres atingidas não entendem ou não recebem esclarecimentos sobre o caso e que, por vezes, são culpabilizadas durante o processo. Um exemplo disso é a obrigação de pagar multas pelo não comparecimento às audiências. Falta de atenção, amparo, resposta efetiva do Estado e de demora da Justiça são algumas das queixas das mulheres.

Neste contexto, o objetivo é conversar sobre os valores que estão por trás das relação de gênero, seja em casa, no trabalho e na sociedade em geral. Será colocado em pauta quais são os desafios e as formas de combate às violências, com o intuito de fomentar  caminhos para que mulheres e homens se comprometam com um outro modelo de convivência.

Serviço

Data: 11 de setembro

Horário: 19h30 – 21h30

LocalUni – ANHANGUERA – São Paulo – Campo Limpo

Estrada Do Campo Limpo, 05777-001 São Paulo

*Entrada gratuita 

Acesse e conheça o JUNTAS

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher

+ sobre o tema

Salvador registrou 234 casos de abusos em 234 dias do ano

A Bahia lidera o ranking de denúncias de violência...

Mulheres lançam campanha de arrecadação para manifestações do 8 de Março

Em São Paulo, as mulheres se concentram na Avenida...

Entrevista do mês – Jurema Werneck

Violência no país está relacionada a racismo e falta...

Parto humanizado: protagonismo e amor sem dor

Manifestações no fim-de-semana denunciaram modelo obstétrico atual: ele criminaliza...

para lembrar

Condenação de serial killer de gays põe polícia londrina e apps de paquera em xeque

O inglês Stephen Port, serial killer de gays de...

Eles não estão doentes, e nós não estamos loucas

Ontem, uma menina foi estuprada por 30 homens no...

Homofobia matou ao menos 216 em 2014

Segundo relatório de entidade LGBT, região com mais registros...

Brasileiras em perigo: 107 casos de feminicídio em 20 dias de 2019

O ano não começou bem para as brasileiras. Segundo...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=