Violência de gênero é tema de debate gratuito no Campo Limpo, em São Paulo

No dia 11 de setembro, terça-feira, o Usina de Valores e a Universidade Anhanguera – Campo Limpo realizam o debate público “Pela vida das mulheres: desconstruindo o patriarcado“. Gratuito e aberto ao público, o objetivo é proporcionar um diálogo sobre o ciclo de violência que atinge mulheres no Brasil e no mundo. O evento acontece das 19h30 às 21h30.

enviado por Semayat Oliveira para o Portal Geledés

imagem: IPV

A mesa será formada por Mafoane Odara, psicóloga e coordenadora de projetos no Instituto AVON, Priscila Gadelha, psicóloga e integrante da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas (Renfa) e Elânia Francisca, psicóloga e educadora em educação sexual. Durante a conversa, os artistas Helder Oliveira e Fábio Silvestre farão uma intervenção com o projeto “Afeto na Lata“.

No Brasil, a taxa de feminicídios é de 4,8 para cada 100 mil mulheres – a quinta maior no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). E de acordo com o Relógio da Violência, do Instituto Maria da Penha, a cada 7.2 segundos uma mulher é vítima de violência física.

Recentemente, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentou os resultados preliminares de uma pesquisa sobre a qualidade do atendimento do Judiciário às mulheres vítimas de violência. O resultado mostra a existência de problemas na resolução dos casos de violência de gênero. Entre eles está a falta de juízes em audiências judiciais de violência doméstica e insuficiência do atendimento psicossocial às vítimas.

Além disso, o estudo indica que as mulheres atingidas não entendem ou não recebem esclarecimentos sobre o caso e que, por vezes, são culpabilizadas durante o processo. Um exemplo disso é a obrigação de pagar multas pelo não comparecimento às audiências. Falta de atenção, amparo, resposta efetiva do Estado e de demora da Justiça são algumas das queixas das mulheres.

Neste contexto, o objetivo é conversar sobre os valores que estão por trás das relação de gênero, seja em casa, no trabalho e na sociedade em geral. Será colocado em pauta quais são os desafios e as formas de combate às violências, com o intuito de fomentar  caminhos para que mulheres e homens se comprometam com um outro modelo de convivência.

Serviço

Data: 11 de setembro

Horário: 19h30 – 21h30

LocalUni – ANHANGUERA – São Paulo – Campo Limpo

Estrada Do Campo Limpo, 05777-001 São Paulo

*Entrada gratuita 

Acesse e conheça o JUNTAS

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

Intervir em briga de casal pode salvar vida, diz juíza

A advogada Tatiane Spitzner, 29, foi encontrada morta no...

Os novos crimes sexuais, por Silvia Chakian de Toledo Santos

Nova lei é um avanço, mas há que cuidar...

Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019....
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Menina de 15 anos é vítima de estupro coletivo na noite de Natal; amigos são suspeitos, diz polícia

Uma adolescente, de 15 anos, foi estuprada na madrugada de Natal, 25 de dezembro, em Campo Grande (MS). De acordo com a polícia, os suspeitos...
-+=