‘No Brasil de hoje, a trança é um símbolo de resistência’

Trancista Gabriela Azevedo perdeu a conta de quantas vezes perguntaram se ela lava o cabelo: ‘Preconceito só acaba com informação’

Por Marcia Disitzer, Do O Globo 

Grabriela Azevedo- mulher negra, de twist cor azul- olhando para o horizonte.
Grabriela Azevedo: trança twist Foto: Reprodução

Gabriela Azevedo, de 32 anos, é trancista desde os 16 anos. Natural de Brasília, ela se jogou cedo na vida. Aos 18, já trabalhava num salão afro no Distrito Federal; aos 20, abriu o seu próprio espaço e se casou. Um ano depois, foi mãe do primeiro filho, Luther. Depois vieram Malcom e Mateus. Morando e trabalhando no Rio desde 2012, está grávida novamente, mas ainda não sabe o sexo do bebê.

— Se for menina, vai se chamar Marielle —  diz.

Foi por causa de uma depressão pós-parto, que teve depois do nascimento de Mateus, que Gabriela  decidiu compartilhar seu conhecimento criando o projeto TrançAção, braço social do Centro Técnico Trança Terapia, também fundado por ela. A iniciativa ensina mulheres a fazer tranças e trabalha a autoestima. A próxima turma será aberta no dia 3 de maio, em Campo Grande (inscrições pelo e-mail  [email protected]até o dia 18):

Gabriela Azevedo, mulher negra de twists coloridos.
A trancista Gabriela Azevedo Foto: Reprodução

— O curso gratuito é voltado para mães solo, a partir de dois filhos, jovens e mulheres com mais de 65 anos. Passei por uma separação e tive depressão depois do nascimento do Mateus. Só consegui vencer as dificuldades que tive por ter uma profissão — conta Gabriela.

Segundo ela, a trança é um código.

— Em cada lugar, tem um significado. No Brasil de hoje, a trança é um símbolo de resistência. Depois de tanta luta, estão aceitando a cultura afro.  Trabalho com diversos tipos:  box braids, twist e nagô.

A trancista também lembra de várias situações de preconceito.

— Perdi a conta de quantas vezes me perguntaram se lavo o meu cabelo. O preconceito só acaba com a informação.

 

+ sobre o tema

Genebra, por Sueli Carneiro

"As vítimas do racismo, da discriminação racial,da xenofobia e...

Deputada Benedita da Silva: “A escravidão mudou do chicote para a caneta”

Preta e nascida na favela carioca, de pai pedreiro...

Fim do feminicídio está associado a mudança cultural, dizem participantes de audiência

Mudanças socioculturais são necessárias para acabar com a violência...

Ela é negra do Brasil

Nilma Lino Gomes assume a Unilab como a primeira...

para lembrar

Lea T, a transexual que vai fazer história na abertura da Olimpíada

Levantar a bandeira da inclusão e ser porta-voz da...

Minha mãe – Uma mulher negra extremista (?)

Djamila Ribeiro em seu livro “Quem tem medo do...

Mulheres pedem legislação para o combate a condutas ofensivas na internet

Participantes de audiência pública realizada pela Comissão Mista de...

Homens que matam a ex

Parece uma epidemia que acontece em todas as classes...
spot_imgspot_img

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...
-+=