Nós tantas outras

Cinco unidades da capital recebem programação que reflete sobre a condição social da mulher em diferentes localidades e realidades, além dos feminismos e os desafios que se apresentam na contemporaneidade. Nas mesas de discussão, estarão presentes pesquisadoras, estudiosas e ativistas do Afeganistão, Argentina, Brasil, China, Equador, Estados Unidos, Guiné-Bissau, Moçambique, Suíça, Uruguai e Venezuela

Do Sesc São Paulo

Foto: divulgação/Sesc

 

Abordando a condição social das mulheres em diferentes localidades e realidades, além dos feminismos e dos desafios que se apresentam à elas na contemporaneidade, o Sesc São Paulo realiza, de 28/nov a 2/dez, o Encontro Internacional Nós tantas outras.

Nas dez mesas propostas, que acontecem nas Unidades Itaquera, Avenida Paulista, Santana, Campo Limpo e Pompeia , serão abordados temas como a genealogia dos movimentos de mulheres; as concepções e práticas feministas na América Latina e em outros contextos globais; as intersecções com outros marcadores sociais, como sexualidade, raça e classe; as questões vinculadas à saúde reprodutiva e sexual; a representatividade política; as reações e ameaças aos movimentos feministas no mundo e aos direitos adquiridos.

Considerando o atual cenário – e o dia 25 de novembro, declarado pela ONU como Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher –, o encontro reúne especialistas brasileiras e estrangeiras que, com suas experiências, ajudam a melhor compreender esta complexa realidade. Além das atividades formativas, a programação contará com atividades artísticas concebidas por mulheres – que dialogam com as questões apresentadas.

Nós tantas outras é uma iniciativa do programa de Diversidade Cultural do Sesc São Paulo, promotor de ações que contemplam pessoas, populações e culturas cujos direitos civis, sociais, humanos e de manifestação encontram-se de alguma forma ameaçados e/ou minorizados: mulheres, populações LGBTQIA+, negra, indígena e povos/comunidades tradicionais. As inciativas objetivam dar visibilidade à diversidade cultural, criando espaços para convivência, trocas e discussões sobre preconceito e respeito, sempre reconhecendo a diferença como componente legítimo para o viver junto.

A análise dos quadros políticos e sociais, bem como as pesquisas relacionadas às questões populacionais e culturais, integram os princípios de desenvolvimento das ações da área, levando em conta uma série de relatórios e estudos que apontam a persistência de profundas desigualdades de gênero em escala global. Os dados ainda indicam que essa desigualdade perpassa toda a estrutura social, evidenciando-se em altas taxas de feminicídio e violência sexual, baixa representatividade política, diferenças brutais no acesso ao mercado laboral, bem como no desequilíbrio nos salários e na distribuição de horas de trabalho não remuneradas. Diante disso, é urgente pensar nas questões de gênero não só como um tema específico para o desenvolvimento de uma programação cultural e educativa, mas sim como um questionamento das posições éticas que perpassam os vários campos de atuação humana.

As inscrições começam no dia 07/nov, a partir das 14h, no portal do Sesc São Paulo.

O evento contará com transmissão ao vivo no link: facebook.com/sescsp 

Acesse aqui a programação completa.

+ sobre o tema

Ministra Luiza Bairros recebe medalha Zumbi dos Palmares na Câmara Municipal de Salvador

Solenidade será no dia 17/11, às 19h, na Câmara...

As ligações perigosas entre mídia e violência de gênero

É antiga a discussão sobre a influência dos produtos...

Liniker canta Forever Young em campanha sobre a expectativa de vida de pessoas trans

Filme alerta que, no Brasil, devido à violência e...

“O sexismo limita as crianças”, diz psicólogo e autor de livros sobre gênero

Steve Biddulph escreveu as obras "Criando Meninos" e "Criando...

para lembrar

Empregos domésticos: serviços “essenciais” ou necessidades “coloniais”?

O prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB), anunciou hoje,...

23 formas de uma mulher empoderar a outra indicadas por ONGs e coletivos feministas

Atitudes e ações práticas para que empoderamento seja mais...

Chega de desrespeitar a nossa sexualidade, diz Luiza Maia

Tratada, no início, com chacotas pelos seus pares, por...

OSCAR por Sueli Carneiro

Mais uma cerimônia do Oscar e um fato inédito...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=