Nota de Repúdio: Black Face na Unesp Araraquara

“NOTA DE REPÚDIO AO BLACKFACE NA UNIVERSIDADE
O Coletivo Abisogun repudia, por meio desta nota, o episódio racista ocorrido no dia 29 de Abril de 2015 na festa universitária Libertação dos Bixos, promovida pelos centros acadêmicos da UNESP – campus de Araraquara. Propomos uma reflexão sobre o assunto:

por Aline Crsitina Rocha via Guest Post para o Portal Geledés

Essa festa, que não por acaso acontece próximo à data da abolição da escravatura do Brasil, evidencia de maneira gritante as práticas dos estudantes habituados a inferiorizar os ingressantes. Há de se notar que em tal festa os ingressantes são caracterizados de diversas fantasias – as quais muitas representam estereótipos que perpetuam preconceitos relacionados à sexualidade, gênero, raça etc.
A problemática começa com o nome, “Libertação”, que remete a concepção de libertar um sujeito considerado inferior, ou seja, o “bixo”. Nosso repúdio vai de encontro à utilização do “blackface”, que consiste na prática de vestir, caracterizar e pintar a pele com tinta preta, atenuando os traços do corpo negro, criando uma imagem caricata. Historicamente, o blackface teve seu apogeu em 1830-1890, nos Estados Unidos, com as representações estereotipadas de pessoas negras por menestréis brancos. O que significa, para o negro, um blackface?

NÃO CONSIDERAMOS UMA HOMENAGEM.

É uma representação que não só desumaniza, mas também torna depreciativa a imagem da população negra. Essa prática como conceito de piada, brincadeira e, neste caso, ainda mais grave, trote, demonstra a estigma aplicada às características físicas do povo negro.
O contato que tivemos com a imagem de duas calouras brancas pintadas de preto, com uma fantasia popularmente conhecida como a “nega maluca” – com direito a peruca black power e uso de bíquini –, reafirma o racismo contido nesse ato, além da hipersexualização da mulher negra de modo satírico e intencionalmente vulgarizado.

leia também: 

Racismo à brasileira e os Black Faces do Século XXI
Na quarta feira, dia 27/05/2015, nós, do Coletivo Abisogun, colamos cartazes em espaços delimitados para livre divulgação no campus da FCL com dizeres e imagens repudiando o blackface – salientando a problemática dessa prática se dar num espaço comum a nós – no entanto, em instantes eles foram retirados pelos próprios estudantes, silenciando mais uma vez a nossa voz.

É importante ressaltar que esse tema é debatido há muito tempo no Movimento Negro, fato que tem se intensificado e ganhado destaque na mídia, devido aos vários casos de blackface que ocorrem em eventos como o próprio carnaval, festas universitárias e até em peças de teatro. Tais atitudes não podem mais passar em BRANCO.

Negar esse debate num espaço como a universidade é deslegitimar uma luta que há muito tenta vencer esses processos de estigmatização, racismo e sátira do povo negro.
ATÉ QUANDO NOSSA COR SERÁ MOTIVO DE PIADA?”

+ sobre o tema

MPF investiga empresa Uber após denúncia de intolerância religiosa na Baixada Fluminense

O Ministério Público Federal (MPF) abriu uma investigação nesta...

135 anos de desrespeito à liberdade

O mérito de proibir a escravização e libertar as...

Negros são 80% dos abordados pela Segurança Presente em bairro carioca

A maioria das pessoas abordadas pela Operação Segurança Presente,...

Ultradireita europeia no banco dos réus após matança na Noruega

Os partidos de ultradireita da Europa que nos últimos...

para lembrar

Antropologias contra-hegemônicas: uma virada no rumo das nossas referências

“As ferramentas do senhor nunca derrubarão a casa-grande” (LORDE, Audre....

Políticas públicas para enegrecer a gestão pública federal

Neste 1º de Maio é importante lembrar as lutas e conquistas no...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=