Novo prédio da ONU em Brasília homenageia ativista Lélia Gonzalez

 Ícone do movimento negro e de mulheres negras, homenagem se insere no marco da Década Internacional de Afrodescendentes, dos 20 anos da 4ª Conferência Internacional das Mulheres e dos 70 anos de criação da Organização das Nações Unidas (ONU), em 1945

Foto: Acervo JG/Foto Januário Garcia

Do ONU Mulheres

Para saber mais sobre a vida e a obra de Lélia Gonzalez, acesse: http://www.projetomemoria.art.br/leliaGonzalez/

A Casa da ONU no Brasil inaugura oficialmente nesta quarta-feira, 30, o segundo módulo do Complexo Sérgio Vieira de Mello, em Brasília. O novo espaço reunirá os escritórios de representação dos seguintes organismos: Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Os cerca de 80 funcionários e colaboradores destes organismos se somam a outros 100 colegas já instalados na Casa da ONU desde a inauguração do primeiro módulo, em novembro de 2012.

O novo prédio receberá o nome de Lélia Gonzalez, em homenagem à ativista brasileira, ícone do movimento negro e de mulheres negras. A cerimônia de inauguração se insere no marco da Década Internacional de Afrodescendentes, além de celebrar os 20 anos da 4ª Conferência Internacional das Mulheres, realizada em 1995, em Pequim, China, e os 70 anos de criação da Organização das Nações Unidas (ONU), em 1945.

Participarão da cerimônia, o filho de Lélia Gonzalez, Rubens Rufino, e os netos Melina e Marcelo Marques, acadêmicos, militantes, além de autoridades de organismos parceiros da ONU no Brasil como a Secretaria de Políticas para as Mulheres, a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, representantes de ministérios e secretarias distritais. Das agências anfitriãs, estarão presentes as representantes do PNUMA, Denise Hamú; do UNAIDS, Georgiana Braga-Orillard; da ONU Mulheres, Nadine Gasman; o representante do UNFPA, Jaime Nadal; e o coordenador residente do Sistema ONU, Jorge Chediek.

Após o evento de inauguração, terá início a visitação à exposição sobre a homenageada, organizada pela Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh) e pela Fundação Banco do Brasil (FBB), no hall de entrada do novo prédio. A exibição ficará aberta aos visitantes da casa da ONU durante 30 dias.
Situado no Setor de Embaixadas Norte, a construção do prédio teve início em 15 de outubro de 2014, totalizando exatamente 10 meses e 15 dias de obras, gerenciadas pelo Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS). O desenho arquitetônico e a engenharia ficaram a cargo do escritório Paulo Bruna Arquitetos Associados, que utilizou os parâmetros internacionais de edificações de consumo energético.

O prédio foi concebido para o melhor aproveitamento de luminosidade da cidade de maneira a reduzir a necessidade de consumo energético. Além disso, utiliza um sistema de ar condicionado inteligente, que reduz o consumo de energia em 45% em relação a sistema de refrigeração tradicional central de mesmo porte. É, portanto, um edifício inteligente de baixo consumo de energia, pelo tipo de lâmpadas e de sistemas de ar condicionado.

O terreno situado no Setor de Embaixadas Norte foi doado pelo Governo do Distrito Federal à ONU há várias décadas e tem 22.500 m2. Nesta etapa, a área total de construção foi de 1.780 m2 – o módulo I conta com uma área construída de 3.100 m2.

O conceito de Instalações Comuns a várias agências, fundos e escritórios da ONU faz parte de um componente importante do Programa de Reforma das Nações Unidas, lançado há mais de uma década. A proximidade favorece a coordenação das ações e projetos conjuntos, promove uma atuação unificada, reduzindo também os custos operacionais do Sistema.

Lélia Gonzalez
– Lélia Gonzalez nasceu no dia 1º de fevereiro de 1935, em Belo Horizonte. Graduou-se em História e Filosofia e trabalhou como professora da rede pública de ensino. Fez o mestrado em comunicação social e o doutorado em antropologia política. Começou então a se dedicar a pesquisas sobre relações de gênero e etnia. Foi professora de Cultura Brasileira na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde chefiou o departamento de Sociologia e Política.

Ajudou a fundar instituições como o Movimento Negro Unificado (MNU), o Instituto de Pesquisas das Culturas Negras (IPCN), o Coletivo de Mulheres Negras N’Zinga e o Olodum. Sua militância em defesa da mulher negra levou-a ao Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), no qual atuou de 1985 a 1989.
Para saber mais sobre a vida e a obra de Lélia Gonzalez, acesse: http://www.projetomemoria.art.br/leliaGonzalez/

Inauguração do edifício Lélia Gonzalez | Casa da ONU Brasil
Data: 30 de setembro de 2015
Horário: 17h
Local: Casa da ONU no Brasil – Complexo Sérgio Vieira de Mello, Setor de Embaixadas Norte, QD 802- Brasília/DF
Apenas para pessoas convidadas.

+ sobre o tema

Psicose pós-parto: ‘Achei que tivesse assassinado minha bebê’

Tornar-se mãe não é uma experiência simples e fácil....

Luiza Bairros (1953-2016)

Morreu no 12 de julho 2016 a grande Luiza...

para lembrar

O melhor das cotas – Por: Sueli Carneiro

O debate sobre as cotas recrudesce e toma novamente...

Rosário de Mulher – A maternidade como elo criativo e solidário entre mulheres na escrita de Conceição Evaristo

Vania Maria Ferreira Vasconcelos1 Introdução Este artigo faz parte...

Denúncias de violência contra a mulher em São Luís batem recorde em 2018

"Não é necessariamente que a violência está aumentando, mas...

Mulher Negra: Resistindo e caminhando

Todos os anos, chegando ao 25 de julho, comemoramos...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=