O assassinato do filho de Tati Quebra-Barraco pela PM prova que estamos cercados por monstros. Por Leo Mendes

Monstros comentaristas que não respeitam nem a dor de uma mãe que acabou de perder um filho, e invadiram não apenas sites de notícia como o perfil pessoal de Tati em redes sociais para tortura-la psicologicamente.

Por Leonardo Mendes Do DCM

Yuri tinha 19 anos, algumas passagens por furto e roubo e foi morto no Rio de Janeiro, na Cidade de Deus, a famosa favela do filme de 2002.  De lá pra cá nada mudou, e, segundo a PM, Yuri morreu numa troca de tiros com os policiais. Segundo os monstros, por culpa de Tati.

Não vale a pena reproduzir aqui os comentários e quem tiver estômago para encará-los basta uma pesquisa rápida.

Mas fico imaginando se o filho assassinado não fosse de uma cantora de funk preta, mas sim de uma atriz global e loira. Quem sabe um dos “jovens universitários” que vendem drogas em bairros da zona sul, segundo o Globo – que sempre reserva a palavra “traficantes” para pretos favelados.  Será que os monstros atacariam do mesmo modo? Duvido.

São criaturas racistas e sádicas, possivelmente incuráveis.  Já para os PMs talvez ainda exista salvação.

A esperança é a de que percebam que essa classe média e alta que adora dizer que bandido bom é bandido morto também não está nem aí caso o morto seja o policial.

É claro que vão dizer que ligam sim, vão tirar selfies em suas micaretas políticas, elogiá-los quando matam suspeitos em favelas, mas no fundo não se importam de verdade, preferem acreditar que essa guerra longe de seus olhos os deixarão mais protegidos.

Ligam de verdade somente quando o morto é um deles, e o assassinato ocorre num bairro de classe média ou alta.  E isso não por empatia, mas por medo de que fossem eles próprios.

Enquanto isso, segue o genocídio de policiais, traficantes, suspeitos e inocentes nas favelas. Enquanto há festa regada a todo tipo de droga em qualquer esquina chique da cidade.

Mas o mais triste do assassinato do filho de Tati é que ele morreu em vão. Que nada vai mudar a partir dessa morte. É só mais um preto, suspeito de envolvimento com o tráfico, e muitos outros ainda morrerão exatamente do mesmo modo.

Numa guerra que de tão absurda sequer pode ser chamada assim, já que toda guerra deve ter no horizonte o seu final.

Não há nenhuma possibilidade de vencer as drogas, e tampouco é isso o que se busca com o genocídio nas favelas.

À Tati, apenas nossos mais sinceros sentimentos de solidariedade e compaixão.

+ sobre o tema

Brancos usam cota para negros e entram no curso de medicina da UFMG

Dezenas de brancos estão ingressando no curso de medicina...

Real é punido por racismo, e Bernabéu terá setores fechados

Na  primeira partida do Real Madrid em sua casa pela...

Jogador marroquino do Auxerre acusa bandeirinha de racismo

Meia Kamel Chafni diz que árbitro assistente teria o...

Ex-aluno do Porto Seguro pede apoio da Alemanha após racismo

Um ex-aluno do Colégio Visconde de Porto Seguro em...

para lembrar

Estádios de futebol devem exibir mensagem contra o racismo

Comumente lembrado por seus benefícios à saúde, à educação...

Boeing demite 65 funcionários por conduta racista, discriminatória e odiosa

A Boeing demitiu 65 funcionários e advertiu outros 53...

Racismo: britânicos pedem a renúncia de Joseph Blatter

Joseph Blatter errou feio mais uma vez – e...
spot_imgspot_img

SC tem alta de 51% nos casos de injúria racial e lidera denúncias do crime no país

Em Santa Catarina, seis pessoas procuraram a polícia por dia, em média, para denunciar casos de injúria racial em 2023. No ano passado, 2.280 pessoas sofreram ofensas...

O destino dos negros

A semana em que o Estatuto da Igualdade Racial (lei 12.288/2010) completou 14 anos foi repleta de notícias que atestam o quanto o Brasil está longe...

Roda de samba no Centro do Rio registra dupla imitando macacos em evento: ‘não será tolerado’

O PedeTeresa, roda de samba que acontece na Praça Tiradentes, no Centro do Rio, compartilhou um vídeo de uma dupla imitando macacos em um...
-+=