O batidão chegando ao chão

Então, “o batidão foi descendo, descendo, até chegar, hoje, ao chão dos melhores endereços da cidade” – diz, em bom estilo mercadológico, a abertura da matéria publicada no O Globo em 26 de maio. Mas que batidão é esse que, aos nossos ouvidos, vem soando, já algum tempo, como qualquer marchinha animada de carnaval? Será mesmo funk? Será mesmo melody?

funk, pelo que sabemos aqui no Lote, é um gênero musical, abrangendo vários estilos, difundido a partir do trabalho de músicos como James BrownGeorge ClintonPrince,Michael Jackson, etc. Ele se caracteriza pelo diálogo, num clima extremamente dançante, entre baixo e bateria, geralmente com uma dinâmica seção de metais pontuando, em contraponto, a melodia principal.

Mas não é esse o som dos artistas estabelecidos e emergentes citados na matéria…

O termo funk, designando a característica intrínseca de toda música verdadeiramente afro-americana, isto é, a sua autenticidade negra, teve originalmente, em inglês, entre outros significados, o de amedrontamento, pânico. De onde funky ser algo que amedronta, que semeia o pânico. Mas o vocábulo, com sentido estendido, ganhou conotação positiva como, no Brasil, fera, sinistro etc.

Aí, a gente já começa a entender um pouquinho melhor. Mas… E a marchinha? Como é que entra nessa história?

Num primeiro vislumbre, lembramos que já há algum tempo a capoeira freqüenta o mesmo ambiente das ações sociais, dos projetos de cidadania que popularizaram o hip-hop e alavancaram o funk — vocábulo que já merece ser abrasileirado para fânqui, como a partir daqui (gra)faremos, sem aspas.

Lembramos também que o universo da capoeira abriga o maculelê, misto de dança guerreira e jogo de bastões, cujo nome deriva, provavelmente, do quicongo makélelè, barulho, algazarra, vozearia, tumulto. E que, segundo a tradição, existiria em Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano, pelo menos desde 1757, ano de inauguração da principal igreja local.

A ritualística do maculelê tem início com a “marcha de Angola”, na qual os participantes percorrem as ruas e praças em marcha gingada. Ao chegarem ao local principal da representação, trava-se a dança-luta: os figurantes batem os bastões uns contra os outros em compasso binário, executando passos de capoeira e samba, e entoando canções cujos textos fazem referência expressa a localidades históricas do contexto angolano, como Cabinda, Quibala, Luanda etc. Nós somos pretos da Cabinda de Luanda/ nós somos pretos do soba de Quibala, diz uma delas.

**

É aí, então, que a marchinha do fânqui revela sua identidade, durante muito tempo disfarçada de drum & bassmiami-bass, batidão, sei lá. E revela cantando: Sou eu, sou eu/ sou eu, maculelê sou eu.

Leia Também: 

Sons e Danças dos Negros no Brasil

 

 

Fonte: Nei Lopes

+ sobre o tema

Pelotas: Ampla programação na Semana da Consciência Negra

A Semana Municipal da Consciência Negra, que transcorre...

55 anos da voz: Relembre grandes performances de Whitney Houston

Whitney Elizabeth Houston nasceu dia 9 de agosto de...

Com marcha, coletivo lembra 131 anos da morte de Luiz Gama

Luiz Gonzaga Pinto da Gama nasceu no dia 21...

La mujer negra, doblemente discriminada en Cuba

Por Patricia Grogg LA HABANA , sep...

para lembrar

X Reunión BID – Sociedad Civil – Agenda Participativa

Estimados miembros de la sociedad civil, La X Reunión Anual del...

Orféu: trágedia afro-brasileira com astros baianos

Foram duas semanas de suspense e apreensão. Depois de...

Leci Brandão é indicada ao Prêmio da Música Brasileira

A cantora e compositora Leci Brandão concorre na categoria...
spot_imgspot_img

Obrigada Shirley

É com muita tristeza que compartilhamos a notícia do falecimento da Shirley Villela, nossa companheira e amiga, tecedora da Redes da Maré, de 2013...

‘Bad Boys 5’ já está sendo discutido, afirma produtor

‘Bad Boys: Até o Fim‘ estreou há apenas uma semana, mas um 5ª filme para a franquia estrelada por Will Smith e Martin Lawrence já está sendo discutido. A...

Mulheres afrodescendentes são destaque em evento internacional pela conservação ambiental e justiça climática

No último dia 14, a vice-presidenta da Colômbia, Francia Márquez, esteve no fechamento do evento internacional “Garantir a posse da terra e os direitos...
-+=