O belo da riqueza dos dialetos do português brasileiro

Não faz muito tempo, em São Luís, capital do Maranhão, telefonei para uma amiga. O filho dela atendeu. “Diga à sua mãe que foi Fátima Oliveira, colega dela, quem telefonou. Desejo falar com ela antes de voltar para Belo Horizonte”. Conforme o prometido, telefonei no mesmo dia e ela atendeu. Repetiu as palavras do filho: “Mãe, ligou uma amiga sua. Esqueci o nome, mas ela não é daqui, pois, tem uma fala estranha”.

Por  Fátima Oliveira

 

Aquilo martela, até hoje, em meu juízo. Após um quarto de século em Beagá, com uma passagem de quatro anos por Sampa, acostumei-me à pergunta “Você é de onde?”, mal abro a boca; logo, fiquei assustada de ser ouvida como uma “fala estranha” no meu Estado, o Maranhão! O ocorrido levou-me a estudar os dialetos do português falado no Brasil – variantes da língua, o tal sotaque, e não um modo de falar errado e execrável, pois se a grafia culta da língua é una, o modo de falar é diverso e deve ser respeitado!

O “pt-BR” – código de língua para o português brasileiro -, embora de grafia culta una, é um conjunto de variantes de modos de falar no Brasil desde 17 de agosto de 1758, quando o marquês de Pombal decretou o português como a língua oficial do Brasil e proibiu a utilização da língua geral, grosso modo, a “língua de contato” entre diferentes tribos indígenas e delas com os portugueses. Isto é, “uma língua franca entre contatos indígenas” que exerceu influências marcantes sobre a língua portuguesa europeia.

“A língua geral possuía duas variantes: a língua geral paulista: originária da língua dos ameríndios Tupi de São Vicente e do alto rio Tietê, que passou a ser falada pelos bandeirantes no século XVII. Dessa forma, ouve-se tal idioma em locais em que esses ameríndios jamais estiveram, influenciando o modo de falar dos brasileiros. O Nheengatu (ie’engatú = língua boa): uma língua tupi-guarani falada no Brasil e em países limítrofes – é uma língua de comércio, desenvolvida ou compilada pelos jesuítas portugueses nos séculos XVII e XVIII, fundamentada no vocabulário e na pronúncia tupinambá e que tem como referência a gramática da língua portuguesa, com vocabulário enriquecido com palavras do português e do castelhano”.

A minha “fala estranha” faz com que eu seja estrangeira em todos os lugares, pois falo alguma coisa em que ninguém se reconhece – um problema de identidade linguística monumental do ponto de vista pessoal! Na serra do Arapari, lá pras bandas do Barro Azul, atual Fazenda Santa Rita de Cássia – que já foi Imperatriz, depois João Lisboa e agora é Senador la Rocque -, que o povo chama de a Fazenda do Padre, sempre que chego lá o problema se avoluma de tal modo que nos primeiros dias preciso andar com o Tio Luís, o vaqueiro, tendo-o a tiracolo como tradutor, caso contrário, é arriscado fazer negócios errados, simplesmente por questões linguísticas!

Após uma semana, nada mais soa estranho e passamos a entender, e até a incorporar, os “hem-hem”, “pucardiquê”, “prumodiquê” etc. e tal, que compõem o linguajar sertanejo maranhense… Não é raro ter vontade de cavar um buraco no chão e nele entrar quando alguém indaga: “Ô Luís, o que mesmo a doutora quis dizer?”.

O Biel tão logo se mudou pra lá, certo dia, irritadíssimo por não entender o que falara o frentista de onde paramos para abastecer o carro, disse-me: “Eu não entendo o que esse povo fala, mãe! Como morar aqui?”. Usei toda a minha autoridade de mãe sertaneja: “‘Prestenção’, porque esse povo é o seu! E também não terá outro povo para trabalhar pra você, não!”.

Fonte: O Tempo

+ sobre o tema

Marieta Severo fala de papel na novela, racismo e dos ataques que sua família recebe nas redes

Atriz cita retrocessos na sociedade, celebra ressurgimento do feminismo...

Marina diz em NY que não mudará a economia

Por: CRISTINA FIBE Candidata do PV pede fim de...

Às agressões humanas, a Terra responde com flores

Mais que no âmago de uma crise de proporções...

Lula chega a 47% na Vox Populi; maioria considera prisão injusta

“A prisão de Lula, da forma como ocorreu, parece...

para lembrar

Ruas da cidade: Manifestações livres sobre qualquer assunto

Por Leno F. Silva Percorrer a pé as...

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Ciro Gomes nega desistência de candidatura

Alvo de nova ofensiva comandada pelo Palácio do Planalto...

Filha mais velha de Obama, Malia atrai legião de fãs com seu estilo

Filha do dono da caneta mais poderosa do mundo,...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=