O feminismo é questão de tempo

O processo de alfabetização de uma criança é tão fascinante quanto intrigante. As letras passam de símbolos indecifráveis a sílabas, palavras, frases, até a condição de expressão do eu. Um mundo completamente novo e imenso que nasce a partir do ritmo, som, formato e efeito vindos da interação e significação das letras e delas com o entorno, com a realidade. Chega a parecer um portal mágico, mas a verdade é que o processo é longo e lento, fruto de uma estrada bastante particular de estímulos, muito esforço, troca, e necessidade (de comunicação).

no Think Olga

– B com A?

– BA, responde a criança, certeira.

– B com E?

– DO? arrisca, insegura.

A resposta soa absurda a uma pessoa alfabetizada, íntima da lógica do letramento e das conexões necessárias para estar nele. Como pode? Mas o fato é que o domínio de uma linguagem ou conhecimento novo é sempre um processo difícil e desafiador. A primeira palavra lida por uma criança é tão-somente a soma das letras, e mesmo assim, um sacrifício similar ao de subir 50 lances de escada. O esforço é visível na força do abdome, na concentração absoluta, na quase falta de ar. Aos poucos, com muito treino/estímulo, o processo se consolida. As letras passam a fazer sentido – um sentido funcional, social e estético – e a descoberta da possibilidade de ler a vida e dialogar com o mundo trazem autonomia e auto-estima irreversíveis. A chave gira e nada é como antes.

O feminismo também é assim, parece uma ficha que cai, um portal mágico que se abre, uma cirurgia de catarata bem sucedida. A avassaladora transformação que ele efetiva, no entanto, é gradual e anti-horária. Sempre contra o curso do rio. É um desconstruir de referências, uma revisão de conceitos num processo tão dolorido e particular (antes de se perceber também coletivo) que beira a desalfabetização para uma outra alfabetização do mundo – que não é novo, mas que pela nova e lenta tomada de consciência, se descortina. E aparece como realmente é – masculinizado, opressor, desigual e extremamente violento com as mulheres e com os grupos igualmente desrespeitados e anulados por sua condição de raça, classe, sexualidade, idade.

A bolha estoura e o choque de realidade escancara o histórico e continuado processo de desqualificação e desfiguração da persona da mulher e de sua presença na sociedade, uma presença ora útil – quando mantida na caixa pré-formatada que lhe foi determinada, ora perigosa e incômoda, ao primeiro sinal de ‘subversão’. A explosão da bolha, tal qual a consciência da leitura, novamente é irreversível. Não há caminho de volta.

O feminismo é quase como a troca de pele da cobra, se ela não fosse involuntária. Perceber o ‘novo’ mundo dentro do mesmo mundo demanda maturidade, esforço e coragem para assistir um filme de terror retratando a própria realidade. Ter a consciência dói e exige atitudes. Sair do lugar e buscar incessantemente a transformação do modelo de tudo o que é modelo. Lutar todos os dias, em cada momento individual e coletivo por uma democracia feminista, que se propõe a quebrar o paradigma da dominação masculina e seu apetite insaciável pelo poder, para incluir, dialogar e construir coletivamente (construir com) uma estrutura social mais justa, democrática e constitucional. Sim, está tudo lá, nossa Constituição é linda. Mas a consciência nos exige mais do que a ação. Ela demanda perdão ao nosso próprio retrovisor e sororidade efetiva a cada mulher – cada pessoa – em seu estágio de desalfabetização. É preciso estar perto para contribuir com o processo, abrir diálogo, sempre com respeito ao tamanho de cada perna e de cada passo.

O que resta da nossa paciência histórica deve ser direcionado a esta solidariedade, empoderamento mútuo e valorização da pessoa, criando as condições para a individual e intransferível busca pelo conhecimento – inicialmente de dentro para fora e depois em ambos os fluxos. E a cada descoberta cresce a luta pelos direitos sociais negados, inexistentes ou corrompidos. O feminismo torna-se uma necessidade – e todas as mulheres serão feministas, é apenas uma questão de tempo.

Algumas entenderam ainda crianças – quanto mais dura a vida, mais cedo a tapa na cara abre os olhos. Outras estão juntando as letras, ou já lêem com fluência, cada uma a seu tempo. E, como processo, o feminismo não se encerra no letramento, ele se amplia, se discute, se fortalece. Não existe mais/menos feminista, nem há exatamente uma ‘linha de chegada’, muito menos um caminho único na estrada. Há um borbulhar de forças genuínas, e por isso mesmo até difusas, em busca de uma sociedade verdadeiramente democrática. E vamos a ela por mar, por terra, e pelo ar. O feminismo é a revolução.

Juliana Romão é jornalista, mestra em comunicação pela Universidade de Brasília (UnB), professora de Jornalismo na Uninassau (PE) e repórter da revista de educação Pátio. Pesquisa a perspectiva de gênero presente no discurso jornalístico.

Arte: Gaby D’Alessandro

+ sobre o tema

40% das servidoras e magistradas brasileiras já sofreram violência doméstica

Um estudo revelou que 40% das servidoras e magistradas...

A cada 24 horas, ao menos oito mulheres são vítimas de violência

No ano de 2023, ao menos oito mulheres foram...

Não comemore que uma Globeleza foi trocada por uma mulher negra que a Globo acha bonita

1- Mulheres negras só tem visibilidade em programações como...

O problema não é o cacheado, é o crespo!

o desgaste na relação desenvolvida consigo mesmo é...

para lembrar

Carolina Maria de Jesus: Quem foi a escritora que denunciou a fome no país

A intimidade com a fome e a discriminação sentida...

“Não ver trans como doentes é avanço, mas luta segue árdua”

Desde o primeiro dia deste ano, nenhum dos 194...

Maria Madalena era “uma mulher rica”, não uma prostituta

Investigação em jazida na cidade de Magdala revela informações...

Mulheres negras na tecnologia

Embora as mulheres sejam a maioria no ensino superior...
spot_imgspot_img

Defender Maria da Penha é defender a vida das mulheres, os direitos humanos e a democracia

Maria da Penha está sendo ameaçada de morte. Foi necessário que a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, recorresse ao governador do Ceará, Elmano de Freitas,...

Naomi Campbell celebra 40 anos de carreira com exposição em Londres

Para celebrar os 40 anos de carreira, a supermodelo britânica Naomi Campbell, 53, ganhou uma exposição no Museu Victoria & Albert, em Londres, na Inglaterra. Intitulada “Naomi: In...

O pior conselho de carreira que Lupita Nyong’o recebeu após ganhar um Oscar

Após vencer o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel em 12 Anos de Escravidão (2013), Lupita Nyong'o recebeu diversos conselhos.  Uma década depois da vitória do prêmio, a atriz relembrou...
-+=