Trogneux, 64, Macron, 39. E daí?

Críticas em relação aos 24 anos que separam Macron e sua esposa refletem estereótipos e preconceitos

Por ISABEL VALDÉS, do El Pais 

Enganadora. Mamãe. Estranha. Papa-anjo. Surrealista. Até mesmo mentira. Até mesmo predadora. Todas essas são palavras para definir – nas redes sociais, e em manchetes e textos de meios de comunicação de todo o mundo – Brigitte Trogneux, a esposa de Emmanuel Macron e a relação de ambos. Todas elas palavras para definir, também, o enorme esforço para manchar algo que, embora possa ser pouco habitual, não deve ser vilipendiado. Trogneux é 24 anos mais velha que Macron. E daí?

Há apenas um mês, o recém-eleito presidente da França aludiu, no jornal Le Parisien, à homofobia “galopante” que emanava dos rumores que o uniam a Matthieu Gallet, presidente da Radio France, porque, obviamente, um homem da idade dele com uma mulher da idade de Trogneux só pode ser uma fachada para sua homossexualidade. E a partir daí Macron estendeu uma resposta à crítica social e midiática que recebe há meses por causa de uma história de amor que, sim, se encaixaria como folhetim, telenovela, série vespertina ou produção romântica no estilo de Hollywood. A questão não é que ocupe lugar no espaço público – ainda mais quando o presidente insistiu em posicionar sua mulher não apenas como parte de sua vida privada, mas também em sua vida política –, mas como o ocupa e que suposições derivam disso.

Quem ainda não conhece o passado e o presente do novo casal que ocupará o Palácio do Eliseu está, naturalmente, isolado do mundo há semanas. Começo da década de noventa: se conhecem no colégio La Providence, em Amiens. Ele, aluno. Ela, professora (casada e com três filhos, detalhe que parece essencial). Apaixonam-se. Pais que se opõem, um pouco de escândalo provinciano, e Macron acaba em uma escola secundária em Paris – com promessa de amor eterno. 2006: Brigitte Trogneux se divorcia. 2007: Trogneux e Macron se casam. Fim? Não.

 

Continue lendo aqui 

+ sobre o tema

Nudez e pedofilia: onde está o real problema?

Incentivamos uma relação com a sexualidade desigual e potencialmente...

“Eu sei parir e meu filho sabe nascer”

A “epidemia de cesáreas” que acomete o Brasil deixa...

Todos os livros de Judith Butler, gratuitos, para download

Pasta pública na rede disponibiliza a obra completa da...

Mães podem desencadear anorexia em filhas, sugere estudo

Pesquisa realizada no Hospital das Clínicas da Faculdade de...

para lembrar

Controvérsia sobre ‘lei da minissaia’ gera ataques a mulheres em Uganda

  AMY FALLON, Na manhã de quarta-feira,...

Casais que vivem juntos mas não têm vida sexual

Número de casais que deixam de manter relações está...

Internautas acusam campanha da Riachuelo de racismo

Anúncio especial para O Dia Internacional da Mulher gera...

ONG pede a governos para acabarem com “testes de virgindade”

A organização Human Rights Watch instou, esta terça-feira, os...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=