O golpe à democracia e a população negra

Muito já foi dito sobre os últimos fatos políticos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores. De logo pontuo que faço parte daqueles que entendem ter sido desnecessária a conduta coercitiva sofrida pelo ex-presidente, sou a favor da nomeação do mesmo para Ministro e pela continuidade do governo da atual presidente.

Por Carlos Leonardo Queiroz Almeida via Guest Post para o Portal Geledés

Como advogado por formação e por vocação, não posso corroborar, em hipótese alguma, que direitos fundamentais sejam mitigados, independente das circunstâncias. Pensar de outra forma é fugir da verdade. Abrir mão de garantias fundamentais é criar um perigoso precedente e uma afronta à Democracia e à Constituição.

Não obstante, muito se argumentou tanto pró, quanto contra o atual governo. Dentre os que defendem a atual gestão federal, um argumento muito utilizado tem sido o de que foi esse governo que implementou as políticas de ações afirmativas, contribuindo, assim, para o aumento do número de afrodescendentes nas Universidades Públicas no Brasil, fato que verdadeiramente aconteceu. Argumentam, ainda, que os negros nunca tiveram tanta voz e vez neste país, isso como forma de conclamar nós negros a mais uma vez nos engajarmos na luta em defesa da atual gestão.

Não se pode negar que foram implementadas políticas públicas direcionadas à comunidade negra brasileira, porém, há de se analisar com parcimônia o atual cenário. O hodierno momento, embora delicado, também é imperativo para algumas importantes reflexões sobre o papel que a comunidade negra tem exercido nesta correlação de forças aí posta. Relações políticas são construídas com intencionalidade e reciprocidade, e não podemos fugir disso.

O mesmo governo que se vangloria de ser vanguardista na implementação de políticas de promoção da igualdade, na formação inicial da equipe Ministerial possuía, e ainda possui, apenas uma Ministra negra, e não por coincidência esta comandava a SEPPIR – Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Secretaria com status de ministério que possuía um dos menores orçamentos dentre todos. Fato este justificado com o argumento de que esta seria uma Secretaria meio, e não finalística. No mês de outubro do ano passado a presidenta Dilma realizou uma reforma ministerial. Fundiu-se aí a Secretaria das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos. Assumiu o comando da nova pasta a ministra negra, fosse o contrário, geraria um grande mal-estar.

Ainda no quesito representatividade, observem que a região Nordeste concentra o maior percentual dos negros do Brasil. Nesta região 70% da população se declarou parda ou preta, segundo o último censo demográfico realizado pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Na eleição para presidente da República, onde duelaram em segundo turno a atual presidenta e o candidato tucano, a Região Nordeste foi quem definiu a vitória de Dilma. Além de ser a região onde a presidente recebeu a maior quantidade de votos, em comparação com as demais (20.176.579). Foi também onde a diferença de votos para o segundo colocado foi maior (12.208.733). O Norte foi a outra Região onde a petista venceu, abocanhando 4.393.301 votos em disputa, porém, a diferença foi menos acachapante: 1.017.153 votos a mais. Aécio Neves saiu vencedor e com saldo maior do que o saldo de votos obtido pela esquerda na Região Norte. Vale ressaltar que, ainda consoante o censo de 2010, 74% dos habitantes da Região Norte se declaram pretos ou pardos.

Ao cruzarmos a distribuição por Cor/Regiões e Votos/Região do país fica evidente que Dilma se elegeu com maioria de votos negros e nordestinos. Mas o que isso significou, vem significando ou significará na composição do Governo Dilma? Me parece que pouca coisa ou quase nada! Como já dito apenas uma negra e três nordestinos dos trinta e nove que iniciaram o governo da presidente, após a reforma, continuam apenas uma Ministra negra e cresceu para quatro o número de nordestinos entre os 31 ministros.

Superada esta breve análise sobre a carência de representação negro/nordestina na cúpula ministerial do Governo Federal, cabe analisarmos alguns indicadores sociais

A Região Norte e, em segundo lugar, a Região Nordeste, são as que evidenciaram maior crescimento no número de homicídios entre os jovens negros: 125,5% e 96,7% respectivamente, entre os anos 2002 e 2010, dados do Mapa da Violência 2012 – A Cor dos Homicídios no Brasil, confeccionado pelo Governo Federal.

As regiões com maior taxa de analfabetismo também são a Norte e a Nordeste, sendo 11% e 25%. Dentre a população analfabeta nordestina 43% são negros, ao passo que na região norte os afrodescendentes representam 28,1%. Trabalhadores sem carteira assinada no Brasil, 48,1% declaram-se negros, ao passo que apenas 16,3% se declararam brancos, as demais exercem atividades autônomas ou encontram-se desempregadas – dados do IBGE.

Por fim, dos jovens que acessaram o ensino superior apenas 26,2% declararam-se negros. Devemos reconhecer que o cenário anterior ao governo Lula era de extrema, carência de oportunidades para a população nordestina e, em especial, para a população negra; no entanto, após treze anos de governo petista, pouco se avançou na promoção da igualdade racial. Preocupa-nos também, o fato de mudanças estruturais não terem sido implementadas, a exemplo de uma verdadeira reforma política e tributária.

Defender a democracia, o Estado republicano e a efetivação dos direitos fundamentais é dever de todos, mas está evidente que passou da hora de fazermos um acerto de contas. A população negra teve participação decisiva nas quatro vezes em que o PT logrou êxito nas eleições para presidente da República, porém a recompensa tem sido a desatenção e a eterna espera por um cenário político ideal para atender nossos pleitos. Continuamos nas ruas defendendo a manutenção do governo democraticamente eleito, mas é preciso que a atual gestão incorpore negras e negros ao projeto estratégico de gestão e de políticas públicas estruturais, que modifiquem de maneira mais sólida a vida do povo brasileiro.

+ sobre o tema

Festival de Música Maria Felipa reúne mulheres capoeiristas em Irará

Revelar mulheres capoeiristas com talentos em composição e interpretação...

“Jimi Hendrix seria um pioneiro do hip-hop”, diz ex-produtor

O produtor Eddie Kramer, que já trabalhou com Jimi Hendrix,...

Reisado

O reconhecimento do reisado como patrimônio brasileiro, foi reinvindicado...

Mulheres contam como se livraram da chapinha e aprenderam a amar os cachos

O "orgulho cacheado" ganhou força nos últimos anos. Além de...

para lembrar

Tendência da moda

A palavra tendência vem do latim tendere, cujos significados...

Uruguai investiga UTIs após morte de 16 idosos por enfermeiros

Autoridades sanitárias do Uruguai iniciaram uma investigação sobre as...

Candomblé Ketu

Candomblé Ketu (pronuncia-se queto) é a maior e...

Mia Couto: Situação em Moçambique “é apocalíptica”

O número de mortos em Moçambique não pára de...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=