O homem que aos 6 anos era um soldado-criança e hoje é um dos australianos do ano

Uma criança australiana aos seis anos de idade está começando na escola, aprendendo a ler e escrever, e brincando com seus amigos no resto do tempo. No Sudão do Sul, com a mesma idade Deng Adut foi sequestrado de sua família e, depois de marchar 33 dias, recebeu uma metralhadora e foi treinado para se tornar um soldado na guerra que devastou seu país.

Do Hypeness

Aos 12 anos, no lugar de viver as primeiras doces emoções da adolescência, Deng foi baleado nas costas, e retirado escondido do Sudão até o Quênia, para um campo de refugiados. De lá, a ONU conseguiu transferi-lo como refugiado para a Austrália, em 1998 – e aí que a história oferta uma comovente e contundente transformação.

Os soldados-criança da guerra do Sudão do Sul

Deng chegou a Austrália como um jovem soldado, analfabeto, à deriva diante de um imenso choque cultural. O que poderia intimidar muitos, para ele se transformou em estimulo.

Ele aprendeu sozinho a ler e escrever, foi viver em seu carro, terminou a escola, entrou para uma faculdade de direito e se formou. A escolha pelo direito se deu justamente para que possa ajudar outras pessoas com historias similares à sua.

A Western Sydney University, onde Deng estudou para se tornar advogado, promoveu um impressionante anúncio contando e homenageando sua história.

Deng agora é um dos indicados ao prestigiado prêmio de Australiano do ano – não só por sua história de resiliência e superação, como também por sua contribuição ao país que o acolheu, e pela afirmação do quanto os refugiados podem trazer e oferecer, de forma geral, fora de uma situação de guerra, para o mundo melhor.

Veja o discurso de Deng quando de sua indicação para o prêmio:

© fotos são de reprodução do site Hypeness

+ sobre o tema

Plataforma reúne informações sobre herança negra brasileira

As heranças culturais que fazem parte da formação do...

Escolhemos 32 músicas que embalaram todo o tipo de amor. Qual é a sua?

Sabemos que faltam muitas músicas e muitos cantores e...

Ramatis Jacino: O negro no mercado de trabalho em São Paulo pós-abolição 1912/1920

Ramatis Jacino fala sobre sua tese de doutoramento O...

para lembrar

Exposição fotográfica homenageia Comunidade Negra Arturos

Em homenagem aos 122 anos de Abolição da Escravatura...

Ubuntu: A Filosofia Africana Que Nutre O Conceito De Humanidade Em Sua Essência

Ubuntu - entenda o significado dessa palavra africana. Uma sociedade...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=