Guest Post »

‘O.J.: Made in America’ vence o Oscar de Melhor Documentário

Documentário sobre O.J. Simpson produzido pela ESPN americana leva prêmio máximo do cinema

Por Marcel Fornaciari, do The Playoffs

Vinte e dois anos depois de O.J. Simpson ser absolvido pelos assassinatos de Nicole Brown Simpson e Ronald Goldman, a ex-estrela da NFL estava de volta aos holofotes neste domingo (26), no Oscar 2017.

Bem, tecnicamente, não foi Simpson que esteve no centro das atenções, foi Ezra Edelman. O filme de Edelman sobre o running back que está no Hall da Fama, “O.J.: Made in America”, ganhou o Oscar de melhor documentário durante o 89º Oscar, apresentado por Jimmy Kimmel (aquele que errou o nome do vencedor de melhor filme), no Dolby Theatre em Los Angeles.

Embora o documentário tenha sido criado originalmente para a televisão, a ESPN estava tão orgulhosa do filme que o lançou nos cinemas por uma semana em maio de 2016, para que ele se qualificasse para ganhar um Oscar.

Colocá-lo em um cinema também não foi fácil. Em 467 minutos, o documentário de cinco partes é realmente o filme mais longo a ganhar um Oscar. De acordo com o Los Angeles Times, esse tempo de execução ultrapassou o de “Guerra e Paz”, que ganhou o Oscar de melhor filme em língua estrangeira em 1969, com um tempo de execução de 431 minutos.

O tempo de duração do documentário significava que ele só poderia ser exibido duas vezes por dia durante a sua curta estadia nos cinemas. Depois de receber o Oscar, Edelman dedicou o prêmio a todos que sofreram injustiça criminal.

“[Esta vitória] é também para outros, as vítimas da violência policial, brutalidade policial, violência racial e injustiça criminal”, disse Edelman. “Esta é sua história, bem como Ron e Nicole’s. Tenho a honra de aceitar este prêmio em seus nomes. ”

Se você não teve a chance de ver o documentário, que apresenta 72 novas entrevistas e raras fotos de arquivo, todas as cinco partes estão disponíveis no WatchESPN. Um DVD do documentário também está disponível.

O documentário começa com a carreira de Simpson na USC e depois segue sua vida por meio de sua absolvição em outubro de 1995 nas mortes de Goldman e Brown Simpson. O filme também conta sobre sua prisão em 2008, que o levou a 10 condenações por crimes que Simpson ainda cumpre pena na prisão.

O documentário sobre O.J. concorreu ao Oscar com mais quatro outros indicados: “13º”, “Fogo no Mar”, “Vida”, e “Eu Não Sou Seu Negro”.

Quanto a O.J. Simpson, não está claro se ele viu o documentário, mas ele pode ter uma chance de assistí-lo ainda neste ano. Simpson, de 69 anos, espera conseguir liberdade condicional em outubro, e vários juristas acreditam que ele será liberado.

Vale lembrar que, além de jogar futebol americano como running back, incluindo 9 anos no Buffalo Bills e 2 no San Francisco 49ers, com 6 seleções para o Pro Bowl, Simpson foi ator.

Related posts