O machismo na Academia Brasileira de Letras

A escritora Ana Maria Machado coordenará, no mês que vem, um ciclo de palestras na ABL sob o título geral de “Cadeira 41” (a casa, como se sabe, tem 40 acadêmicos), que mexe com as entranhas da Casa de Machado de Assis. Em pauta, o caso de alguns grandes escritores que ficaram de fora e não foram “imortais”. Isso porque não se elegeram — é o caso do próprio Lima Barreto (1881-1922), que tentou duas vezes — ou porque não quiseram concorrer, como o poeta Carlos Drummond de Andrade (1902-1987).

Por DANIEL BRUNET, do O Globo

Um exemplo polêmico é o da carioca Júlia Valentina da Silveira Lopes de Almeida (1862-1934), na foto abaixo. Ela escreveu em jornais (numa época em que não se via mulher no ofício) e, em 1887, lançou o livro “Contos infantis”. Ao todo, escreveu uns 10 romances. Casada com poeta português Filinto de Almeida (1857-1945), cofundador da ABL, Júlia ajudou a criar a Academia. Mas foi barrada.

— Ela acabou sendo preterida por ser mulher. O marido dela, um poeta medíocre, virou acadêmico. É um caso bastante exemplar do machismo que existe no Brasil — destaca o escritor Luiz Ruffato, que vai falar da história de Júlia Lopes de Almeida, dia 4, no Cadeira 41.

Ruffato acrescenta que o machismo que impediu Júlia de entrar para a ABL — aliás, uma mulher só foi aceita por lá em 1977, 80 anos depois de sua criação, com a entrada de Rachel de Queiroz — foi o mesmo que “apagou o nome dela da história da literatura brasileira”.

— Tirando o Machado de Assis, só há dois nomes que se equiparam a ela no século XIX: Lima Barreto e Aluísio de Azevedo — garante.

Aliás, hoje, além de Ana Maria Machado, a Academia tem outras quatro mulheres: Cleonice Berardinelli, Lygia Fagundes Telles, Nélida Piñon e Rosiska Darcy de Oliveira.

Júlia Lopes de Almeida | Reprodução

+ sobre o tema

Chega de Fiu Fiu lança primeiro teaser de documentário

Nesta semana, o coletivo Think Olga lançou o primeiro teaser...

USP oferece curso online de programação para alunos do ensino médio

USP oferece curso online de programação para alunos do...

Como as mulheres tornaram os EUA uma máquina de medalhas

Durante um bom tempo, o número de esportes olímpicos...

‘Com a política de cotas, a universidade passa a ser uma possibilidade real’

Com a política de cotas, a universidade passa a...

para lembrar

Transexuais: Quero ser mulher também no meu RG

Sofrendo constrangimentos públicos diários, transexuais lutam para que a...

Apoiar entrada de jovens negros na universidade é pensar sobre qual futuro queremos

Em um cenário de crise aguda, a educação continua...

GO: ex-pastor é preso por estupro e cárcere privado da mulher por 6 anos

Um ex-pastor evangélico de 45 anos foi preso na...

Kelly se tornou professora na pandemia e luta por inclusão na sala de aula

Kelly Aparecida de Souza Lima, de 46 anos, tornou-se...
spot_imgspot_img

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas, como imaginado. A estudante do 3º ano do ensino médio Franciele de Souza Meira, de...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...
-+=