O Menino e a Vovó

Por Malachiyah Ben Ysrayl

Todos os dias, ao cair da tarde, uma idosa bem preta de lenço branco na cabeça, saia comprida e com um andar sereno, descia a rua apoiada em sua bengala na mão direita, sempre sorridente.
 
Ao avistá-la, as crianças paravam de brincar de pique, bandeirinha, amarelinha, quebra-pião, em um período onde ainda se podia brincar nas ruas sem os atrativos da vida moderna, e, respeitosamente, paravam e diziam:
 
– A benção Vovó!
 
Vovó a todos abençoava e seguia seu caminho para onde não sei.
 

Foram anos e anos, a Vovó descendo a rua e todos os dias o mesmo ritual, uma coisa bonita, a relação de respeitabilidade entre as crianças e a idosa, que conhecia rezas e chás. Os adultos comentavam que ela tinha uma Casa de Umbanda; as crianças a consideravam um anjo de pessoa, a querida Vovó.

 
Certo dia, uma das crianças, uma daquelas que mais gostava da Vovó, um menino preto de seis ou sete anos de idade, que corria atrás dela para pedir a benção, foi levado a uma igreja protestante e se tornou, como se dizia antigamente, um Bíblia ou um Crente, época em que os protestantes eram considerados pessoas de bem.
 
Na Igreja, o menino ouviu também falar da Vovó, mas não da maneira que ouvira na rua ou dos adultos.
 
Ele se sentia uma pessoa diferente das outras, mais importante, deveria ser “uma luz no mundo”, como “um sal na terra”, um diferencial. Colocam essas coisas nas cabeças das crianças. 
 
Certo dia, em uma discussão com um menino de cor branca, também crente, de outra denominação, ele cheio de orgulho disse:
 
– Não vou brigar com você! Sou crente e crente não briga com irmão.
 
Então, ele ouviu rispidamente do “irmão”:
 
– Preto só entra na igreja para chamar branco de irmão.
 
O resultado foi desastroso e os “irmãos” brigaram. Brigas de crianças, elas são muito sensíveis as palavras.
 
Outro dia, a maioria das crianças brincando, quando mais uma vez, a vovó desce a rua e todos pedem a benção, exceto o neófito, o menino preto, o crente. Os colegas estranharam porque ele era o mais animado para ser abençoado.
 
Ao ser indagado:
 
– Por que você não pediu a benção da Vovó?
 

Ele, tristemente e cabisbaixo, respondeu:

– Na Igreja, disseram que Vovó é do povo que segue a religião do Diabo.
 

O secularismo e o laicismo contra a intolerância religiosa

Os 7 mandamentos da tolerância religiosa

 
 
Fonte: BAYAH

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Obama se registra como “negro” em novo Censo americano

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, registrou-se como...

Torre das Donzelas reconstitui a prisão de mulheres durante a ditadura militar

Documentário de longa-metragem tem direção de Susanna Lira e...

Vacina não é privilégio

O Brasil chegou ao fim do mais letal mês...

Estamos criando monstros

- A criança que vocês adotaram não combinou muito...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=