O movimento em mim

A branquitude confere unidade. Fiquei horas pensando em termos diferentes estabelecidos, catalogados pelo IBGE pra classificar pessoas autodeclaradas brancas. Não tem. Branco é branco. A branquitude, além de uma série de privilégios, confere unidade. A estrutura racista socialmente construída fortalece ainda essa unidade. A branquitude sabe o número do navio de onde veio, sabe o sobrenome dos antepassados até as gerações mais distantes. A branquitude permite. Ponto. Têm os descendentes dessa ou daquela etnia, têm os dessa ou daquela região, mas, aqui no Brasil, branco é branco. O poder que a branquitude confere não permitiria que fosse diferente. O poder que a branquitude oferece faz com que ninguém pesquise, por exemplo, os efeitos do racismo no racista. Como o pensamento do racista funciona? Quais os efeitos psicológicos do racismo no racista? Os objetos de estudos somos sempre nós. A branquitude estabelece o padrão, não importa quais sejam as diferenças internas.

por Jaciana Melquiades no Meninas Black Power

Em comparação fiquei remoendo as dores que a negritude nos causa. Digo remoendo pois estou há dias com um nó na garganta pensando no quanto mulheres e homens, negras e negros, não têm um elemento agregador. Pelo menos não consegui pensar em um elemento agregador positivo. Pensei nas centenas de termos que usam para definir homens e mulheres negros e negras. Só no IBGE, de forma oficial, são três: pardo, preto e negro. Socialmente temos outros infinitos que seria impossível listar. A mesma estrutura racista os desagrega e faz com que as diferenças internas sejam maiores que o fator que deveria nos torna unidade: a negritude. Somos “a preta que lacra”, “morenas”, “mulatas”, a “neguinha favelada”, a “mulata tipo exportação”, palmiteiro, “a solitária”, “marrom bombom”, “escuro”, “pardo” e mais uma centena de definições que acabam por superar a negritude. Estou remoendo aqui um monte de dúvidas, mas principalmente um monte de medos. Mulheres e homens vêm tentando costurar e remendar a negritude faz tempo, fazem isso de formas muito diferentes e todas são fundamentais… pelo menos tem sido na minha formação enquanto mulher preta. As pretas que estão na universidade, a tia que toma conta das crianças na favela, a moça que faz o vídeo sobre cabelo, cara que fala de moda, quem vai pra manifestação, quem vai pra escolas, todas e todos. Se me vejo me forma e só agradeço por isso. Movimento me parece isso: estar em todos os lugares.

leia também:  

+ sobre o tema

Jean Augustine

Jean Augustine, nascida em 9 de setembro de 1937...

Organizações pedem proteção de mulheres sob risco de violência doméstica no Nordeste

Um grupo de organizações da sociedade civil apresentou a...

Cultura do estupro no Brasil: Homem, de que lado você está?

Tão chocante quanto o estupro denunciado por uma jovem...

Feminismo jurídico: Advogadas criam coletivo de assessoria gratuita para mulheres

Conectadas pela hashtag #MaisAmorEntreNós, no facebook, um grupo de...

para lembrar

Mulheres Afrodescendentes e Protestantismo: uma abordagem brasileira

Este ensaio Mulheres Afrodescendentes e Protestantismo: uma abordagem brasileira tem como objetivo...

Após sofrer violência, brasileiras voltam ao País com filhas

Duas brasileiras que sofriam violência doméstica por parte dos...

Violência contra mulher: mais da metade dos estados não repassou dados

Dezoito estados e o Distrito Federal (DF) não forneceram...

Milton Cunha: Semiologia de pele negra

A importância de ver o povo negro manipulando os...
spot_imgspot_img

Elogio ao estupro e ódio às mulheres

Nem sempre é fácil dizer o óbvio. Mesmo porque, quando essa necessidade se impõe é fundamental entender as razões que estão por trás dela. Mas...

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...
-+=