domingo, outubro 2, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaAfro-brasileiros e suas lutasO (polêmico) mês da Consciência Negra.

O (polêmico) mês da Consciência Negra.

Para começo de conversa, vale explicar que o dia (20) e mês (novembro) da Consciência Negra só é polêmico, problemático ou duvidoso para quem se sente desconfortável em assumir que vive em um dos mais racistas dos países. E também para quem está cheio de privilégios e com resistência em assumi-los.

Por Marcelo Moreira de Jesus via Guest Post para o Portal Geledés

Pois é. O mito da democracia racial ainda impede que exaltemos nossos heróis e heroínas negras porque, afinal de contas, “estamos em um país miscigenado”, onde “não existe dia da consciência branca”, onde “#SomosTodosMaju”, onde “não existem raças, somos todos humanos”, e onde “a miscigenação é nosso grande tesouro nacional” e bla, bla, bla… Bullshit!

O Brasil ainda é um pais onde quem mais sofre com o machismo é a mulher negra, onde quem mais sofre com a violência policial é o homem negro, onde quem mais sofre com a hipersexualizaçao é o corpo negro, onde quem mais sofre xenofobia é o/a imigrante negro/a, onde quem mais sofre agressão racista é o povo preto.

Então, para entender e respeitar o importante mês da consciência negra, primeiro precisamos (AINDA!!) ser didáticos e apresentar esta triste realidade brasileira.

Junto a tal triste realidade, faço questão de apresentar diversos grupos de ativistas a favor de cotas raciais nas universidades, grupos contra o genocídio da população jovem negra e periférica, coletivos contra o racismo institucional, projetos por maior visibilidade negra nos meios de comunicação e nas redes, etc, etc…

Ou seja, estamos vivos, resistindo, lutando. Mais do que isso, estamos reverenciando o nosso líder Zumbi dos Palmares sim! E Dandara também, e Luiz Gama também, e Claudia, e Eduardo, e Amarildo, e todos outros que estão PRESENTES. Sim, nossos mortos ainda vivem. Não vai ser qualquer um que vai nos silenciar com o discurso fajuto e hipócrita do “SOMOS TODOS IGUAIS”.

Não somos iguais e todos sabemos disso. No dia em que veremos negros formados nas faculdades na mesma proporção que brancos, quando tivermos maioria negras assumindo posições de poder, quando o negro não for mais destaque do genocídio, quando a pobreza, a fome, a falta de educação não forem mais pautas da população negra periférica, quando punirmos os covardes que cometem crimes de racismo, quando valorizarmos as culturas africanas… Ai SIM, cara pálida: Aí falaremos da “consciência humana”.

E, ainda assim, gritarei “Zumbi Vive!”. Porque ele e muitos outros vivem. A minha consciência tem milhares de vozes, e cada voz traz milhares de histórias. E que venha o dia 20 de novembro! Comoremos. Ubuntu. 4P.

Ps.: O projeto “Negros (In)Visíveis” continua nas redes sociais coletando posts de negras e negro que inspiram. A exposição e reconstrução da História Negra sãos necessárias.

Instragram: @negrosinvisiveis

Facebook.com/negrosinvisiveis

negrosinvisiveis.tumblr.com

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench