O que engenheiras ouvem todo dia? Alunas da Poli respondem

Mulheres representam menos de 30% dos ingressantes na Escola Politécnica da USP; em vídeo, elas decidiram contar o que incomoda

Por Clara Cerioni Do Exame

Ser mulher e ainda fazer faculdade de engenharia na maior instituição do país, a Universidade de São Paulo (USP), é um desafio. Preconceito, machismo e descrédito são atitudes que as aspirantes a engenheiras enfrentam diariamente.

Em reação a esses comportamentos, um grupo de alunas dos cursos da Escola Politécnica da USP decidiram gravar uma versão de “Survivor” (Sobrevivente, em português), música lançada em 2001 pela banda Destiny’s Child, que expõe a força e a independência feminina.

No vídeo, que já alcançou mais de 67 mil visualizações no YouTube, as estudantes dublam a música mostrando objetos e apagando discursos de ódio pintados pelo corpo. “Você faz Poli?”, “mal amada”, “você vai desistir”, “sexo frágil” e “cara de empregada” são algumas das frases contestadas por elas.

A estudante de engenharia civil Sade Oliveira, 21 anos, explica que a iniciativa surgiu durante as preparações para a gincana “Integrapoli”, que anualmente reúne todos os centros acadêmicos da Escola.

“Um dos desafios da competição era fazer um vídeo inspirado na música Survivor e, em vez de ficarmos no comum, vimos a oportunidade de alcançar um propósito muito maior e discutir o que passamos todos os dias”, afirmou. No fim, o vídeo acabou vencendo o concurso.

Sade conta que cada mulher escolheu desenhar ou escrever aquilo com que ela mais se identificava e sofria, por isso as frases são tão expressivas e fortes.

“Eu, por exemplo, decidi enfrentar todos aqueles que acreditam que uma mulher que se preocupa com a sua beleza e imagem não pode ser inteligente e ainda por cima gostar de exatas”, diz.

De acordo com o grupo de alunas, nos últimos cinco anos, apenas 27% dos ingressantes na Poli eram mulheres

+ sobre o tema

Ministra Luiza Bairros recebe bancada feminina da Câmara dos Deputados

Pauta girou em torno das necessidades das mulheres negras...

Sobre meninas e lobos – por Dulci Lima

Essa noite tive pesadelos. Velhos fantasmas voltaram para me...

A suposta força infinita da mulher negra

Venho tentando escrever esse texto há algum tempo. Todo...

Eu negra.

Não vou começar esse texto dizendo que sou filha...

para lembrar

Programa Por um cinema negro no feminino

Programa Por um cinema negro no Feminino // Mostra...

Quatro anos depois do assassinato de Marielle, MPRJ ainda não analisou parte de material da investigação

O Ministério Público do Rio de Janeiro ainda não analisou parte...

Como a mobilização de duas jovens levou o metrô de SP a agir contra abuso sexual

No último ano, chamaram a atenção casos de tentativa...

Dieese: Mulheres gastam 95% mais tempo com afazeres domésticos que homens

Uma pesquisa realizada pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=