O que fazer diante do racismo?

Quatro mulheres que já tiveram que lidar – e continuam lidando diariamente – com a crueldade da discriminação por causa da cor da pele contam como combatem o racismo e o que as move

“No colégio, na faculdade, na maioria das redações em que trabalhei, nos prédios onde morei, sempre estive entre as poucas pessoas negras. E continua assim até hoje. Quando me mudei para meu atual endereço, um prédio de classe média na zona oeste de São Paulo, senti como o racismo é latente. Para alugar o apartamento tive que provar que eu realmente ‘merecia’ morar ali. Nem o casal de fiadores impediu um mês de infindáveis idas e vindas a cartórios e muito mais burocracia do que seria normal. Também perdi a conta de quantas vezes ouvi de moradores (e faxineiras): ‘Você trabalha aqui?’. A coisa fica ainda pior quando meu namorado (branco e estrangeiro) vem me visitar. Apenas ele recebe bom- dia, eu pareço invisível. Até quando as pessoas vão achar que negro não pode morar bem, ter carro bom e viver decentemente tanto quanto qualquer branco? Para todos os racistas, meu recado: aceita que é melhor. Isso não vai parar!”

Arquivo pessoal

Claudia Lima, 44 anos, jornalista

***
“Que fique claro: odeio racistas. Racismo é crime. Em 2012, ao deixar meu filho, na época com 3 anos, na porta da escola, ouvi um pejorativíssimo ‘pretinho, pretinho’. Era um loirinho, um ano mais velho do que ele. Gelei. Senti a dor que o preconceito causa. Não chorei. Fui firme. Porque, ao mesmo tempo que sangrou, veio a dignidade e o orgulho. Sou mãe de um menino negro com dreads no cabelo. Tive pena do menino que, tão pequeno, já discriminava. Dias antes, o Gabriel tinha me perguntado qual era a sua cor e eu disse: ‘Negro’. Ele insistiu. Eu disse: “Preto”. Ele insistiu mais uma vez. E eu disse: ‘Marrom-clarinho’. Conversamos sobre cor e raça, ficou tudo bem – e dez dias depois acontece aquilo? Tudo foi muito rápido e eu só exigi da escola que eu conhecesse os pais do menino. Foram horas de conversa por telefone, um exercício de atenção para com o outro. Que tenha ficado ali e em mim a importância de prepararmos nossos filhos para um mundo de iguais, onde a única coisa que insisto em destinguir é o caráter. Que o loirinho e o meu pretinho aprendam juntos a construir uma sociedade mais justa.”

Arquivo pessoal

astrid

Astrid Fontenelle, 53 anos, apresentadora

***
“É evidente que o racismo existe no nosso país. Disfarçado e camuflado, mas perfeitamente visível, basta querer enxergar. O combate e a punição dos infratores se impõe. Em 1993, proferi a primeira sentença contra o racismo no Brasil. A autora é uma doméstica que foi acusada por uma rede de supermercados de roubar um sabonete e um frango. Diziam: ‘Isso é coisa de negro que mora no planeta dos macacos’. Ela chamou a polícia, que confirmou que nada havia sido roubado. Julguei a ação procedente. No mesmo dia em que essa sentença foi publicada, fui a um banco em Salvador. Precisei aguardar meu filho, que estava no caixa, e me sentei no sofá. Dois seguranças e um gerente logo vieram ao meu encontro: estavam desconfiados. É assim que nos tratam. Impõe-se a implementação de uma justiça igualitária. É indispensável que o poder público tenha vontade política para incluir o negro nos espaços decisórios brasileiros. Sou favorável a cotas para ingresso de negros na magistratura e também no quinto constitucional. Temos milhões de negros competentes, falta a oportunidade para demonstrar seu potencial.”

Arquivo pessoal

luislinda

Luislinda Valois, 72 anos, desembargadora

***
“Eu e o Julio estamos juntos há 20 anos. E o principal aprendizado desta história de amor ‘inter-racial’ sobra para mim, o lado ‘branco’. Porque antes o racismo era invisível, e eu, como a grande maioria da população brasileira, negava a sua existência. A gente aprende que a pousada na praia tem quarto vago se eu pergunto; se ele vai na frente, está lotada. Que o restaurante está cheio de mesas ‘reservadas’ quando o Julio pergunta, mas que o gerente ‘quebra o galho’ quando me vê chegar. Que o corretor de imóveis não acredita que queiramos ver o apartamento caro em um bairro bom, mas muda de ideia quando conhece a esposa loira do interessado. Que a primeira pergunta que me fazem sobre o Julio, sempre, é se ele é músico ou jogador de futebol (fora a piadinha recorrente: se você é casada com um negro, é porque ‘gosta de negão’). E que, em São Paulo, se saio sozinha à noite, o Julio fica preocupado com assaltos; se é ele quem sai, dirigindo nosso carro, eu fico preocupada com a polícia: preto dirigindo carro bom, se não é famoso, deve ser ladrão.”

Arquivo pessoal

isabelamoi

Izabela Moi, 43 anos, jornalista, é casada com Julio Pinheiro, 42, digital expert de uma multinacional. E negro

 

 

Fonte: TPM

+ sobre o tema

Por unanimidade, STF reafirma inconstitucionalidade de proibição de gênero em escolas

Em dois julgamentos realizados nos últimos dias, o Supremo...

A presença colorida do feminismo negro

Com rodas de samba, saraus, plenárias e manifestações, pretas...

Casos de feminicídio aumentam 76% no estado de SP no primeiro trimestre

Levantamento é do G1 e da GloboNews, com base...

Equador reconhece a identidade de gênero no documento de identificação

A assembleia Nacional do Equador aprovou com 77 votos...

para lembrar

As mulheres de García Lorca – por: Fernanda Mayer

A dramaturgia de Federico García Lorca pode ser considerada como uma...

Criador de “Glee” anuncia série com o maior elenco de pessoas trans da história da TV

Ryan Murphy, de Glee e American Horror History, já...

Dia Internacional da Menina

Hoje é comemorado o primeiro Dia Internacional da Menina,...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=