O racismo nosso de cada dia e a situação da mulher negra brasileira

O racismo se manifesta das mais diversas formas no Brasil: está na falta de representatividade de homens e mulheres negras nos espaços públicos, nos guetos de exclusão e pobreza, mas também no imenso número de assassinatos que ocorrem todos os anos.

Por Jurema Werneck Do Huff post brasil

O Mapa da Violência mostra que enquanto o homicídio de mulheres negras experimentou um crescimento de 54,2% entre 2003 e 2013, no mesmo período, o homicídio de mulheres brancas caiu 9,8%. Não bastasse a violência contra si, a mulher negra também experimenta com maior intensidade a violência contra seus filhos, irmãos e companheiros. De acordo com o Mapa da Violência de 2012, dos cerca de 30 mil jovens entre 15 e 29 anos assassinados por ano no Brasil, 93% são homens e 77% são negros.

É consenso que não existe raça, mas que outra explicação haveria para este cenário senão o racismo?

Nesta semana em que celebramos o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, é preciso lembrar que a vulnerabilidade poderia abater estas mulheres, mas este grupo se consolida como uma importante força motriz da mudança. E com generosidade e solidariedade, elas se levantam diariamente e lutam para que outras mulheres não passem por suas dores e dificuldades.

“Precisamos lutar, antes de tudo, para que toda a sociedade reconheça o problema que é o racismo.

É de mulheres negras o choro, mas também a liderança na busca por justiça por filhos desaparecidos e assassinados pela violência, inclusive da polícia.

É de mulheres do campo – quilombolas, ribeirinhas, indígenas e muitas outras – o grito pelo acesso à terra.

É das jovens estudantes a cobrança crescente pela qualidade à educação.

É das mulheres o apelo pelo direito a decidir pelo próprio corpo por meio da regulamentação do aborto seguro.

“A dor não vai passar, mas a mulher negra se levanta generosamente para lutar de forma que outras não experimentem o que ela viveu.

Precisamos lutar, antes de tudo, para que toda a sociedade reconheça o problema que é o racismo. Somente assim conseguiremos enfrentá-lo com recursos e longo prazo, com políticas de Estado e compromisso de todos. Para criar e gerir as políticas de modo eficiente, é importante conhecer o racismo em detalhes, saber onde ele está, como atua e seus efeitos sobre as pessoas – lembrando que estas políticas precisam ajudar a superar outras desigualdades também.

Também precisamos reconhecer que sem as mulheres negras e seu pensar ativo não teremos o pleno exercício de nossos direitos. Ser mulher negra é enfrentar a dor, enfrentar a luta cotidiana, tentar sobreviver e seguir mais adiante. A dor não vai passar, mas a mulher negra se levanta generosamente para lutar de forma que outras não experimentem o que ela viveu.

 

+ sobre o tema

bell hooks: Linguagem: ensinar novas paisagens/novas linguagens

Resumo do texto traduzido: bell hooks relaciona as opressões...

A PEC das Domésticas, os grilhões e as madames – Por Cidinha da Silva

As madames estão indômitas. Como diz o povo da...

para lembrar

Nota de Repúdio ao Musical Racista “Single Singers Bar”

Fiquei sabendo desse peça musical pelo catraca livre (que...

Mulheres da Paraíba exigem ética da mídia local

Só este ano, 73 mulheres foram assassinadas na Paraíba....

Weissheimer: Essas lésbicas são terríveis!

Fica difícil saber o que está incomodando mais o...

Edital investe até R$ 1,3 milhão em ONGs e coletivos liderados por mulheres negras

Organizações sem fins lucrativos e coletivos liderados por mulheres...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=