OLHAR AZEVICHE: Livro que reúne textos de 10 autoras negras é lançado em Salvador nesta terça (28)

Nesta terça-feira (28), às 19 horas, na livraria LDM do Espaço Itaú de Cinemas Glauber Rocha, ocorre o lançamento do livro “Olhos de azeviche: dez escritoras que estão renovando a literatura brasileira”.

Por Donminique Azevedo Do Correio Nago

O evento contará com uma roda de conversa com as escritoras Cristiane Sobral e Fátima Trinchão, sobre os contos que compõem a coletânea, seguida de sessão de autógrafos.  O Espaço Itaú de Cinemas Glauber Rocha fica localizado na Praça Casto Alves, s/n. O livro custa R$40.

A obra reúne vinte contos e crônicas das escritoras Ana Paula Lisboa, Cidinha da Silva, Conceição Evaristo, Cristiane Sobral, Esmeralda Ribeiro, Fátima Trinchão, Geni Guimarães, Lia Vieira, Miriam Alves e Taís Espírito Santo.

“A coletânea tem a importância de dar visibilidade para a quantidade de escritoras negras brasileiras atuantes e para a diversidade de estilos e projetos literários desenvolvido por cada uma delas.  Ainda encontramos circulando o discurso que no Brasil não existem escritoras negras e que, por este motivo, elas não estão nos grandes eventos literários, por este motivo seus textos não são lidos nas escolas e seus livros não encontram espaço nas grandes editoras e livrarias”, explica o editor da Editora Malê Vagner Amaro.

A seleção das autoras levou em conta que a renovação que estas escritoras promovem está nas formas criativas e independentes por meio das quais criam e divulgam suas obras e, especialmente, porque o olhar azeviche destas autoras para o mundo, expresso na literatura que produzem, traz um ponto de vista, uma perspectiva, um sentimento e uma inteligência que merecem ser mais disseminados.

“Apresentamos no livro uma seleção com um marco temporal (final da década de 70) e os movimentos negros de resistência e produção literária daquele período, do qual os Cadernos negros é o grande representante, e acompanhamos até a atualidade com uma autora que ainda não participou de nenhuma publicação impressa, mas divulga seus textos em blogs, como a Taís Espírito Santo”, completa Vagner.

Para a editora Malê, o objetivo é “colaborar para enriquecer o imaginário social brasileiro sobre quem faz literatura no Brasil, combater estereótipos, inspirar os debates e estudos sobre a visibilidade das autoras negras no mercado editorial e, principalmente, oferecer um bom livro literário, que as pessoas se envolvam e gostem de ler, podendo ser afetadas de forma positiva por um tipo de representatividade das mulheres negras, surpreendentemente, ainda pouco divulgado no meio cultural”.

+ sobre o tema

DEFINIDO : 30% do Fundo Eleitoral será para candidaturas femininas

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu terça-feira (22), que...

Padrões e Tabus

A mulher desde que nasce já tem um fardo...

Em 177 anos de história, Polícia Civil do RS tem primeira mulher como chefe

Delegada feminista defende que os homens também combatam a...

A “empregada” no centro de uma sociedade cindida

“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, segue linhagem...

para lembrar

Garotas quilombolas de 10 a 14 anos são vítimas de escravidão sexual em Cavalcante (GO)

Meninas descendentes dos quilombolas no parquinho da escola: muitas...

Ministra menciona disparidade entre mulheres brancas e negras na Rio+20

Fala foi destacada na abertura do debate Questão racial...

Serena Williams: ‘Ser uma mulher negra e conseguir fazer algo histórico é indescritível’

A mais nova das irmãs Williams confessou a dificuldade...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=