O sexo impessoal do machão

Comentando o “Se eu fosse você”

Por Regina Navarro Lins

A questão da semana é o caso da mulher que foi para o motel com um homem que, além de fazer poses na frente do espelho, ficou admirando a camisinha com seu esperma, ignorando a parceira.

Homens e mulheres foram inibidos na sua capacidade para o prazer sexual. As mulheres tiveram sua sexualidade reprimida e distorcida, a ponto de até hoje muitas serem incapazes de se expressar sexualmente, muito menos atingir o orgasmo.

Os homens, por sua vez, também tiveram a sexualidade bloqueada. A preocupação em não perder a ereção é tanta que fazem um sexo apressado, com o único objetivo de ejacular. A mulher acaba se adaptando ao estilo imposto pelo homem, principalmente por temer desagradá-lo. Resultado? Nenhum dos dois usufrui do prazer que um bom sexo proporciona.

Desde pequenos os homens são desafiados a provar sua masculinidade. Nunca relaxar para sempre ser considerado macho gera angústia, além de sentimento de inferioridade entre eles. Na nossa sociedade, ser homem requer um esforço sobre-humano.

Ele é tão emotivo e sensível quanto a mulher, mas aprende que para ser macho não pode demonstrar emoções. Tem que ser agressivo, não ter medo de nada e, mais do que tudo, ser competente no sexo, ou seja, nunca falhar.

Como defesa contra a ansiedade que essas exigências provocam, e para encobrir o sentimento de inferioridade por não alcançar o ideal masculino, eis que surge o machão. Sempre alerta, seu objetivo é deixar claro que despreza as mulheres, os homossexuais e é superior aos outros homens. É difícil assim conseguir experimentar a intimidade emocional com a mulher, em vez de somente a sexual.

Estudos mostram que os homens que definem as relações humanas em termos de papéis rígidos “masculino-superior” e “feminino-inferior”, assim como os que definem sua identidade masculina em termos de controle, violência e repressão dos afetos, apresentam, em muitos casos, um quadro de deterioração da sexualidade.

Na década de 1970, um estudo sobre extremistas políticos alemães da direita e da esquerda – inclusive membros do grupo terrorista alemão de esquerda Baaden- Meinhof –, constatou que esses homens apresentavam problemas de disfunção sexual, inclusive incapacidade de atingir o orgasmo.

Embora as mentalidades estejam mudando, muitos homens ainda perseguem o ideal masculino – força, sucesso, poder –, mas eles têm as mesmas necessidades psicológicas das mulheres: amar e ser amado, comunicar emoções e sentimentos. O processo de socialização que transforma os meninos em homens “machos” impede a espontaneidade na relação com as mulheres. É impossível ser amoroso quando se é “travado” emocionalmente.

 

Ilustração: Lumi Mae

 

Fonte: Uol

 

+ sobre o tema

Mulheres Afrodescendentes e Protestantismo: uma abordagem brasileira

Este ensaio Mulheres Afrodescendentes e Protestantismo: uma abordagem brasileira tem como objetivo...

O vácuo jurídico entre o estupro e a importunação ofensiva ao pudor

Nessa lacuna, muitos casos de violência contra a mulher...

Marcha das Mulheres Negras 2018: Uma mistura de emoção e militância

Uma mistura de emoção e militância, ocorreu durante a...

Sou neguinha e daí

Neguinha, sempre quando a minha irmã mais velha, que...

para lembrar

Cunha é denunciado à OEA por barrar aborto legal

A Associação Artemis de defesa dos direitos das mulheres...

Domésticas serão indenizadas em caso de prática de assédio moral e agressão física

Domésticas podem aplicar justa causa nos patrões   Empregadas domésticas amparadas...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=