O Valente não é Violento: Maria da Penha fala sobre a evolução da luta pelo fim da violência contra a mulher

Dados do 5º Relatório Nacional de Acompanhamento dos ODM (Objetivos de Desenvolvimento do Milênio) mostram que, entre 2010 e 2012, os relatos de violência física representaram mais de 55% dos atendimentos realizados pelo Ligue 180, a Central de Atendimento à Mulher, criado em 2006 pelo governo brasileiro. Os relatos de violência psicológica (27,6%) e violência moral (11,7%) vêm na sequência, também entre os casos mais comuns reportados.

Apesar de não revelarem o panorama completo da situação da violência contra a mulher no país, esses números reforçam a importância de desenvolvermos campanhas de esclarecimento e de mobilização para combater estes e outros tipos de violência.

Pensando na importância dessa luta, a campanha das Nações Unidas O Valente não é Violento tem como objetivo contribuir para a erradicação da desigualdade de gênero, da discriminação sofrida pela mulheres e, consequentemente, da violência exercida contra elas.

Lançada durante o Campeonato Brasileiro de 2013 e com ações previstas para a Copa do Mundo de 2014, a iniciativa coordenada pela ONU Mulheres conta com o envolvimento de diversas agências do sistema ONU, entre elas o PNUD.

“O PNUD coordena esforços mundiais e nacionais para incluir a igualdade de gênero e o empoderamento feminino nas ações para redução da pobreza, construção da governabilidade democrática, prevenção de crises e promoção do desenvolvimento sustentável”, ressalta Jorge Chediek, representante residente do PNUD no Brasil e coordenador residente do Sistema ONU no país.

A violência contra as mulheres ainda assume variadas formas – física, sexual, psicológica e econômica – que se inter-relacionam e afetam mulheres de todas as idades. Voluntários das Nações Unidas estão atuando nas fan fests da Fifa nas 12 cidades-sede dos jogos, levando informações sobre direitos, serviços públicos e a não violência contra as mulheres para as torcidas, aproximando e conscientizando o público sobre a importância dessa causa.

Saiba mais sobre a iniciativa aqui.

Acesse o 5º Relatório Nacional de Acompanhamento dos ODM.

Maria da Penha

Durante uma visita que fez à Casa da ONU em 2013, a brasileira Maria da Penha falou ao PNUD sobre a evolução da luta pelo fim da violência contra as mulheres no Brasil.

Maria da Penha Maia Fernandes sofreu duas tentativas de assassinato pelo marido e lutou para que seu agressor fosse condenado. A Lei Maria da Penha, intitulada em sua homenagem, foi sancionada em 2006 e reconhece a gravidade dos casos de violência doméstica, retirando dos juizados especiais criminais – que julgam crimes de menor potencial ofensivo – a competência para julgá-los.

“É preciso trabalhar em prol de uma mudança nessa cultura machista da sociedade, que está envolvida em todas as camadas sociais. Está presente nas instituições públicas e privadas, inclusive naquelas que têm por finalidade fazer justiça”, disse Maria da Penha.

Hoje um dos ícones desta causa, a ativista participa de movimentos de defesa dos direitos das mulheres e ressalta que, embora exista uma maior conscientização sobre o assunto atualmente, ainda há muito para se avançar. “Infelizmente, as denúncias ainda não aumentaram o suficiente para mostrar que essa realidade é muito mais presente do que se pensa”, ressaltou.

“A ONU possui um papel muito importante na mudança dessa cultura, porque o seu peso internacional interfere positivamente nas ações em prol de mais igualdade e mais justiça”, completou.

Números da violência contra a mulher no Brasil

– 42,66% das violências denunciadas ocorrem diariamente

– 80,26% das violências denunciadas ocorrem pelos parceiros

– A cada 100 mil mulheres brasileiras, quatro são assassinadas

– O Brasil é o sétimo país com maior índice de homicídios femininos
23 Junho 2014

Assista na íntegra a entrevista que o PNUD realizou com Maria da Penha

(PNUD)

Fonte: PNUD

 

VEJA TAMBÉM:

Esta mulher fotografou-se todos os dias durante um ano. O final nos deixa sem palavras

 

+ sobre o tema

O corpo é meu ou seu?

Culturalmente o corpo feminino sempre foi trato como algo...

Gentili e Band são condenados a pagar R$ 200 mil a doadora de leite

Danilo Gentili, Marcelo Mansfield e a Bandeirantes foram condenados...

Mas precisa amamentar aí? Precisa

Daí que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad,...

Comissão mista rejeita todas as emendas à regulamentação dos direitos das domésticas

O texto, aprovado pelo Senado no ano passado, volta...

para lembrar

Jandira quer ampliar proteção da Lei Maria da Penha a transexuais

da assessoria de imprensa da deputada federal Jandira Feghali, via...

Mulheres negras, criminalizadas pelas mídias, violadas pelo Estado

Para Carolina Maria de Jesus, que em 2014 celebramos seus...

Mulher, imigrante e explorada: estudo retrata trabalho doméstico nos EUA

Porta de entrada da economia americana para muitos imigrantes,...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=