Ofendidos por Dunga, torcedores fogem de “repercussão negativa”

Um dia após ganhar ação de indenização contra a CBF, devido a ofensas do técnico Dunga então à frente da seleção brasileira, em partida pelas Eliminatórias da Copa-2010, o advogado Daniel Santos Dantas disse esperar que a situação sirva de exemplo.

Na quinta-feira, sentença da juíza Luislinda Valois, da 18ª Vara de Substituições de Salvador, condenou a entidade a indenizar dois torcedores baianos em R$ 20.400. Segundo ela, durante o triunfo do Brasil por 4 a 2 sobre o Chile, no estádio de Pituaçu, em 9 de setembro do ano passado, o ex-treinador apresentou comportamento “áspero, grosseiro e inconveniente, inclusive com palavras de baixo calão e gestos obscenos”, em direção aos clientes de Dantas.

“Infelizmente, eles não têm interesse [de falar com a imprensa], nem eu tinha, na verdade, porque tem o lado da repercussão negativa. Um pessoal que fica acusando que o objetivo [do processo] era de angariar fundos, locupletação”, disse Dantas à Folha em busca do contato de Ricardo Pereira dos Santos e Valdimário Sousa Malta.

Justiça baiana condena CBF a indenizar torcedores por ofensas de Dunga

“Trabalho para uma associação [a AJUPM Nordeste, identificada como centro de apoio jurídico a policiais militares], onde ganho uma espécie de salário, então para mim não muda nada, é mais uma ação. Queria apenas ter o direito do nosso associado garantido”.

O advogado também fez questão de ressaltar que cabe recurso –“fico preocupado que fiquem alardeando essa situação”– e completou: “Outra coisa: a medida foi tomada antes do início da Copa do Mundo, ou seja, a gente não foi motivado por nenhum sentimento de revolta porque o Brasil não ganhou”.

Ainda segundo Dantas, o valor nem seria tão elevado, já que os dois precisariam dividir a quantia (R$ 10.200 para cada). “Na verdade, para a CBF isso representa muito pouco. O importante é o valor simbólico, para que práticas desse tipo não sejam repetidas”. Por fim, enalteceu a juíza, responsável por uma decisão “de vanguarda”.

“Tomei por base o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto do Torcedor, além de fazer uma pesquisa junto a membros da sociedade civil de vários Estados sobre a conduta do réu, e todos discordaram daquelas atitudes. Enveredei por esse lado e, diante das provas que estavam no autos, achei por bem condenar a CBF, pois naquele caso Dunga funcionava como preposto dela”, afirmou a juíza Luislinda Valois para a Folha.

“Teve defesa, a confederação contestou o fato e até foi tentada uma conciliação”, disse a juíza. “Nos dias de hoje, não se admite uma coisa dessas e, justamente por ser o comandante da equipe nacional, deveria dar o exemplo, ter um melhor equilíbrio emocional. As Nações Unidas advogam que o esporte deve unir os povos e promover a paz, e não o contrário”, completou.

OUTRO LADO

Procurada, a assessoria de comunicação da CBF alegou que o departamento jurídico da entidade continua sem ser notificado. “Quando chegar, colocaremos no nosso site”, respondeu Rodrigo Paiva, diretor da área.

+ sobre o tema

EUA se abstêm pela primeira vez em voto na ONU contra embargo a Cuba

Pela primeira vez, os Estados Unidos se abstiveram de...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

Cornel West: Goodbye, American neoliberalism. A new era is here

Trump’s election was enabled by the policies that overlooked...

para lembrar

São Paulo de Kassab: Cidade em crise

Índices de desaprovação de Kassab evidenciam o esgotamento de...

Até quando a sabotagem conservadora poderá resistir?

por Saul Leblon A Folha quer ser...

Obama: Vitória do povo americano

Por: LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA É hora de celebrar a vitória...

Sociedade brasileira é ‘racista’, afirma futuro presidente negro do TST

Primeiro negro eleito para presidir o Tribunal Superior do...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...
-+=