Oito a cada dez vítimas de feminicídio no RS em 2022 não tinham medida protetiva, aponta levantamento da polícia

Enviado por / FontePor Pedro Trindade, do g1

Estado registrou 106 casos de feminicídios em 2022, o que representa aumento de 10,4% em relação ao ano anterior. Dados são um compilado do Observatório de Violência Doméstica da Secretaria Estadual da Segurança Pública e do Anuário Brasileiro da Segurança Pública.

O Rio Grande do Sul registrou aumento de 10,4% no número de feminicídios em 2022. Foram 106 vítimas assassinadas por questão de gênero no último ano, enquanto em 2021 foram 96 mortes. A alta representa a ocorrência de um caso a cada 3,4 dias no estado. 

Os dados fazem parte do Mapa de Feminicídios da Polícia Civil e são um compilado do Observatório de Violência Doméstica da Secretaria Estadual da Segurança Pública e do Anuário Brasileiro da Segurança Pública. De acordo com o levantamento, oito a cada dez vítimas de feminicídio no estado em 2022 não tinham medida protetiva vigente.

Em metade dos casos, a vítima não havia registrado ocorrência policial contra o agressor. Conforme a delegada Cristiane Ramos, diretora da Divisão de Proteção à Mulher no RS, 80% delas não tinha medida protetiva.

”Segue sendo um desafio para que nós possamos acessar e saber onde está essa mulher que pode vir a ser vítima, já que ela está fora do nosso guarda-chuva de proteção”, afirma a delegada.

Conforme o estudo, em 92,4% dos casos o autor era o companheiro ou ex da vítima. A própria residência foi o local com mais registros de crime, com 72,6% dos feminicídios. Arma branca e arma de fogo foram os principais instrumentos utilizados pelos agressores. Juntos, representam cerca de 73% do total. 

O perfil das vítimas também é contemplado no levantamento. A média de idade é de 39 anos. Das 106 mulheres assassinadas por questão de gênero, 89 eram mães. Destas, 43 tinham filhos com o próprio autor do feminicídio. Três vítimas estavam grávidas.

Órfãos do crime e perfil dos agressores

O mapeamento da Polícia Civil aponta que 219 pessoas perderam suas mães em decorrência de feminicídios, dentre elas, 95 crianças e adolescentes. Além disso, 35 filhos ficaram órfãos, após o pai se matar depois de cometer o feminicídio. Em três casos, o crime ocorreu na presença de filhos com menos de 12 anos.

Conforme o levantamento, a maior parte dos agressores se concentra nas faixas etárias entre 25 e 29 anos e 45 e 49 anos, representando 35% do total de casos. Aproximadamente 84% têm antecedentes criminais. Segundo a Polícia Civil, 68% dos agressores foram presos.

Como denunciar

Existem canais para atendimento em casos de violência doméstica contra mulheres. As denúncias podem ser feitas pelo Disque 180. A Polícia Civil conta com o número (51) 98444-0606 para contato via WhatsApp e Telegram.

Em dezembro de 2022, o governo do Rio Grande do Sul lançou a Delegacia Online da Mulher. A ferramenta é uma página exclusiva para tratar da violência de gênero e funciona 24 horas por dia. O serviço pode ser acessado por celulares, tablets e computadores.

As vítimas também podem comparecer presencialmente em uma Delegacia da Mulher ou em qualquer Delegacia de Polícia (nos municípios em que não houver unidade especializada).

“Não é preciso que a violência chegue às vias de fato, não é preciso ter marcas para vir à delegacia. A violência psicológica ou a agressão verbal já é suficiente para a mulher registrar ocorrência e solicitar a medida protetiva. E é nesse momento que a gente quer que ela venha nos procurar. Ainda em tempo de romper o ciclo de violência, de retomar sua vida e sair dessa situação de agressão”, diz a delegada.

+ sobre o tema

Mj Rodriguez, de ‘Pose’, é primeira mulher trans a vencer um Globo de Ouro

Mj Rodriguez, de "Pose", se tornou a primeira mulher...

“Fome, uma autobiografia do (meu) corpo”, livro de Roxane Gay

“Fome” não é um livro para gostar ou desgostar,...

Estupro: um custo intolerável à sociedade

O lar não é um lugar seguro para milhões...

O protagonismo das mulheres

Exposição e acervo documental registram um trabalho de incentivo...

para lembrar

Pastora trans no altar não é pecado. É divindade e sopro de fé

Alexya Salvador se tornará a primeira mulher trans a...

Anielle Franco: ‘Os desafios atuais são muitos, a começar por nos mantermos vivas’

Uma noite marcada pelo protagonismo das mulheres negras. Assim...

Mandela, Buscapé e Beira Mar, por Sueli Carneiro

As identidades de classe e de raça permitiram que...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=