“Era um crime anunciado”, diz professora da UFPI após estupro e assassinato de estudante dentro do campus

Enviado por / FonteBrasil 247

Maria do Socorro Pereira da Silva, professora e doutora em educação da UFPI, defende uma política de segurança no campus

Maria do Socorro Pereira da Silva, professora e doutora em educação da UFPI, emitiu uma nota neste segunda-feira (30) a respeito do estupro e assassinado da jovem estudante de jornalismo Janaína Bezerra, que foi brutalmente estuprada e assassinada pelo também estudante Thiago Mayson Barbosa. 

Maria defende uma política de segurança no campus e ressalta que o brutal assassinato era “era um crime anunciado”.

Veja a íntegra da nota: 

SIM, JANAÍINA FOI ESTUPRADA E ASSASSINADA DENTRO DA UFPI!

1. O estupro seguido de assassinato era um crime anunciado! Porque viraram rotina os assaltos e o assédio às mulheres estudantes, que são as maiores vítimas da insegurança na UFPI, discursos de “não autorização” não anula a responsabilidade da universidade em garantir segurança em suas dependências; aliada a isso, a cultura do machismo ganhou força, nos últimos anos, por uma mentira reiterada vezes repetida de “ideologia de gênero”Uma estudante estuprada e assassinada é uma ameaça a todas as mulheres!

2. As calouradas são rotinas dos estudantes em todas as universidades, faz parte da vida acadêmica. Ocorre que a estudante não foi estuprada e assassinada em atividades que fazem parte da cultura das calouradas promovidas pelo DCE, isso porque, não existem atividades de estupro e assassinato em calouradas! Os estudantes não são responsáveis pela segurança da UFPI, é atribuição da prefeitura do CAMPUS! Uma estudante estuprada e assassinada é uma ameaça a todas as mulheres!

3. Sobram narrativas de que a MULHER É A CULPADA! A velha retórica que tenta CRIMINALIZAR AS MULHERES com chavões como “estava bêbada!”… Quantos HOMENS são estuprados e assassinados porque estão BÊBADOS? Uma estudante estuprada e assassinada é uma ameaça a todas as mulheres!

4. Foram publicadas notas intituladas em várias instituições e mesmo em organizações da sociedade civil: “NOTA DE FALECIMENTO”, “NOTA DE PESAR”, supernecessárias quando as razões das mortes são de causas naturais ou de doenças terminais. Esses tipos de notas naturalizam o estupro e assassinato da estudante e ocultam os crimes de feminicídio. É preciso emitir “NOTAS DE JUSTIÇA”. Uma estudante estuprada e assassinada é uma ameaça a todas as mulheres!

5. É urgente a organização de uma força-tarefa, pela UFPI, para implantação imediata de um PLANO EMERGENCIAL DE SEGURANÇA NO CAMPUS. Existem várias experiências no Brasil que podem servir de referência. Uma estudante estuprada e assassinada é uma ameaça a todas as mulheres!

6. Nós, mulheres, não estamos seguras em lugar nenhum! Apesar disso, a universidade é nosso lugar de trabalho, investigação, produção e execução de projetos inovadores no ensino, pesquisa e na extensão. Por isso, é fundamental manter a memória de JANAÍNA VIVA na ciência. Desse modo, propomos que a Universidade abra editais específicos de projetos de pesquisa e extensão – JANAÍNA VIVE – com recursos próprios, que promovam discussões de relações de gênero, direitos das mulheres, leis que tipificam os crimes de feminicídio, formas de enfrentamento à violência contra as mulheres. Uma estudante estuprada e assassinada é uma ameaça a todas as mulheres!

7. Por fim, e não menos importante, é fundamental que a administração superior crie um memorial JANAÍNA VIVE, para que a comunidade acadêmica nunca se esqueça do crime cometido dentro da UFPI, pois apenas decretar LUTO não é suficienteUma estudante estuprada e assassinada é uma ameaça a todas as mulheres!

Maria do Socorro Pereira da Silva – Prof.ª Dr.ª em Educação (UFPI)

+ sobre o tema

Gordofobia: um assunto sério

O policiamento dos corpos e a imposição de um...

Traição e a cultura do machão

Nós adoramos apontar o dedo para mulheres que foram...

‘A gente é mais feliz quando se aceita’, diz rapper Karol Conka

Cheia de estilo e nova queridinha do mundo fashion,...

para lembrar

Rimas sobre racismo, misoginia e miséria brotam em filme sobre slam de poesia

Co-dirigido por Roberta Estrela D'Alva, longa mostra a prática...

Projeto Negressencia aprovado pela Funarte transforma histórias em performance de dança

O movimento negro de Santa Maria anda bastante presente,...

Mexeu com uma, mexeu com todas: atrizes apoiam estudante vítima de racismo

Depois de se unirem numa campanha contra o assédio,...

35 dicas para homens compreenderem (ou apoiarem) o feminismo

(Ilustração: Pragmatismo Político) A lista a seguir apresenta sugestões de ferramentas...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=