ONGs lançam campanha para combater a fome de famílias imigrantes e refugiadas

A Associação Projeto Parabéns e o Instituto Vozes sem Fronteiras, organizações da sociedade civil com atuação na cidade de São Paulo, lançam uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar fundos para uma ação emergencial de enfrentamento à fome e à miséria.

A campanha tem como foco famílias de imigrantes e refugiados que vivem em várias regiões da cidade e que tiveram suas condições sociais e econômicas agravadas pela pandemia de COVID-19.

“Nossa meta é distribuir cestas básicas e kits com itens de higiene e limpeza a centenas de famílias de várias partes do mundo, que encontraram refúgio no Brasil. A distribuição deve acontecer no dia 24 de abril, seguindo todos os protocolos de segurança das organizações de saúde. Mas, para que isso seja possível, precisamos arrecadar R$ 15 mil”, explica Lilian Ambar, uma das co-fundadoras da Associação Projeto Parabéns.

De acordo com Rosely Oliveira, à frente do Instituto Vozes sem Fronteiras, estas famílias já se encontravam em situação vulnerável mesmo antes da pandemia e, portanto, é preciso agir rápido. “Atuamos em bairros onde as comunidades de diversos países (Angola, Venezuela, Haiti e muitos outros) vivem e encontramos uma situação de extrema pobreza. Decidimos, então, unir forças para levar alimento e dignidade para estas famílias”, reforça a ativista.

As doações podem ser feitas pelo site projetoparabens.org.br e pela conta corrente da Associação Projeto Parabéns, via Pix, a chave é o CNPJ 29.800.758/0001-96.

Para mais informações, acompanhe nas redes sociais: instagram.com/projetoparabens e instagram.com/institutovozessemfronteiras.

Sobre o Projeto Parabéns

Do desejo de cinco amigas de transformar a sociedade, surgiu em abril de 2016 o Projeto Parabéns. A iniciativa realiza festas para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, que estão em abrigos, ONGs, comunidades e ocupações da cidade de SP.

Sobre o Instituto Vozes sem Fronteiras

Vozes sem Fronteiras foi fundado para construir oportunidades para que os refugiados vivam em plenitude de seus direitos em terras brasileiras, com acolhida e trabalho em conjunto. E suas vozes multiculturais se manifestem. Essa é a principal missão!

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

A sinuca de bico do PSDB no caso da ‘Privataria’

Por Luis Nassif O livro A Privataria Tucana tem...

Questão de ordem (em defesa de Joaquim Barbosa), por Míriam Leitão

O ministro Joaquim tem comprovado saber jurídico. Se não...

Brasilia: Festival reúne shows, filmes e debates sobre a condição da mulher afro-latina

Fonte: Correio Brasiliense - Elas nasceram vestidas de...

Luislinda Valois : Depoimento em Viver a Vida

Luislinda Valois : Depoimento em Viver a Vida ...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=