ONGs LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política no Brasil, diz relatório

Documento, elaborado pelas Organizações Brasileira de ONGs, mostra cenário das entidades no país

ONGs de apoio à causa LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política para realizar seu trabalho no Brasil, mostra um relatório produzido pela Abong (Organizações Brasileira de ONGs) em parceria com a Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) e a ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos).

O documento será apresentado nesta quarta-feira (29) em São Paulo, num evento com a presença da secretária nacional dos direitos das pessoas LGBTQIA+, Symmy Larrat.

Comandado por Renan Quinalha, advogado e professor de direito na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), o grupo de trabalho entrevistou 88 organizações em todas as regiões do país e as questionou sobre as principais dificuldades para executar suas pautas.

Os resultados mostraram que os maiores desafios são angariar recursos e renovar as lideranças, bem como o contexto conservador no país e a tendência de individualização das pautas LGBT+.

Outro problema citado nas entrevistas é a violências enfrentada pelas entidades, em especial ataques promovidos por políticos. Há relatos de empecilhos criados por autoridades para divulgação de projetos em escolas, por exemplo, e perseguição e ameaças a militantes, especialmente transexuais. Os relatos, contudo, não trazem detalhes sobre as ocorrências.

Sobre o problema financeiro, as ONGs relatam tocar a maioria de suas iniciativas por conta própria, “com autofinanciamento e sacrifício da saúde mental“, o que limita a capacidade e a abrangência da atuação, segundo o relatório.

Entre os obstáculos há também uma barreira territorial —organizações de fora das capitais sofrem ainda mais para obter recursos. Em todos os casos analisados, a dificuldade de arrecadação é acentuada pela burocracia para obter o título de Organização Não Governamental e manter essa condição.

O rito para se tornar uma ONG no Brasil envolve ser uma entidade jurídica privada ou pública sem fins lucrativos e com uma finalidade clara, ser administrada por estatuto e com assembleias ordinárias e gerais. Além disso, obrigatoriamente, deve ter um conselho fiscal e uma quantidade mínima de membros ou sócios.

A institucionalização das organizações, por outro lado, desempenha um papel significativo ao facilitar parcerias com entidades estatais e privadas e outros setores da sociedade, que oferecem recursos.

Renan Quinalha afirma que o relatório teve um olhar plural e, ao mesmo tempo, aprofundado sobre diversidade de cenários. Entidades no Sudeste, por exemplo, relatam mais apoio do poder público que as das outras regiões.

“A gente notou que no Centro-Oeste há um ascenso da extrema-direita que acaba atrapalhando as possibilidades de financiamento, sobretudo públicos, dessas campanhas”, diz Quinalha.

Observar esse cenário, continua o professor, permite entende melhor quais são os desafios enfrentados hoje por essas organizações para efetivamente atuar pelo direito à diversidade sexual e de gênero no país.

+ sobre o tema

Mulheres serão 17% da bancada de Minas na Câmara Federal

Com o final da apuração, o número de mulheres eleitas...

Festival Mulheres do Mundo promove debates e atrações até domingo

Começou hoje (16), no Rio de Janeiro, o Festival...

Filmes celebram centenário da escritora Carolina Maria de Jesus

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Negra, Latinoamericana...

Seminário debate homofobia na segurança pública nesta quinta (11)

O seminário será ministrado pelo delegado da Polícia Civil...

para lembrar

Me livrei do meu agressor: elas contam como deram fim à violência doméstica

Andrea, Carol, Nina, Renata e Maria são de cidades,...

Hoje na História, 4 de abril de 1928, nascia Maya Angelou

Escritora norte-americana, cujo nome de nascimento é Marguerite Johnson,...

Distrito Federal tem 42 ocorrências de estupro em janeiro de 2015

Em 2014, foram registrados 777 casos de estupro em...
spot_imgspot_img

Menstruação segura ainda é desafio no Brasil, indica Unicef

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), concluiu “que o direito de menstruar de maneira digna, segura e com acesso...

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...
-+=