Ônibus evoca apartheid em cidade no interior da Itália

Fonte: Estado de São Paulo –

 

SÃO PAULO – A sombra do apartheid, o regime segregacionista que isolou brancos e negros na África do Sul entre 1948 em 1990, paira desde março no sul da Itália. Na cidade de Foggia, a 380 quilômetros de Roma, a prefeitura criou uma linha de ônibus, a 24/1, exclusiva para transportar imigrantes africanos – quase todos negros – até o Centro de Acolhimento de Estrangeiros de Cara, mantido pelo Ministério do Interior. Já os moradores italianos fazem o mesmo trajeto em separado, na linha 24.

 

A adaptação foi criada pela ATAF, a empresa de transporte público do município e é defendida pelo prefeito Orazio Ciliberti, que justificou a iniciativa ao jornal “La Repubblica” alegando questões de “ordem pública”. Segundo a autoridade, parte dos 154 mil moradores da capital da região de Puglia estaria em atrito com os cerca de 800 imigrantes que residem no centro, situado a 15 quilômetros da cidade. Aos estrangeiros recaem constantes acusações de roubos e crimes. “Não se trata de racismo, mas da possibilidade de criarmos um serviço melhor. Ninguém impede os imigrantes de caminhar dois quilômetros a mais e pegar um outro ônibus até o centro”, disse Ciliberti, político de centro-esquerda.

 

A prática, contudo, difere do discurso, conforme o Estado constatou. No interior dos ônibus para estrangeiros não há brancos. A linha 24/1 – cujo nome original, 24/i, de “imigrantes”, foi substituído após protestos de organizações não-governamentais (ONGs) – faz o mesmo trajeto que a linha 24, entre o centro e o distrito de Borgo Mezzanone. No fim, há apenas uma extensão de dois quilômetros, que liga o distrito ao Centro de Acolhimento de Estrangeiros de Cara, apelidado, por ironia, de “campo”. Nos veículos identificados com o número 24/1, os imigrantes não pagam passagem, enquanto pagariam nos ônibus para brancos. Além disso, ele não faz paradas no caminho, seguindo diretamente para o centro, o que impede moradores locais de utilizar o serviço.

 

Entre os imigrantes, que dependem do parecer do governo para serem aceitos na Europa, as críticas ao ônibus são raras. Em lugar de protestos, há silêncio ou elogios à amabilidade dos seguranças do centro de acolhimento. O presidente da Associação de Comunidades Estrangeiras (Asci), Habib Ben Sghaier, protesta contra a iniciativa da prefeitura, que criou a linha. “Não é assim que se faz integração. Isso é racismo.”

 

Discriminação

 

Os imigrantes mais rejeitados da Itália não são, paradoxalmente, clandestinos. Os ciganos e romenos – a maior parte com passaporte europeu e autorização para viver em qualquer país-membro da União Europeia desde 2007 – são o alvo central da indignação dos italianos, que os associam a assassinatos, tráfico de drogas e prostituição em grandes cidades do país, como Turim e Nápoles. A insatisfação com seus vizinhos do Leste é tamanha que há dois anos uma lei autoriza repatriar cidadãos europeus “por razões de segurança pública”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matéria original

+ sobre o tema

Estado tem pelo menos quatro grupos neonazistas

RIO — Há exatamente um mês, a prisão em...

Tecendo a luta e a lira: Vida e morte na poesia de Dinha

(Dinha e Julia (uma das minhas meninas) Amor Teça sua teia e amorteça a morte. (Dinha) por Mariana...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

‘Não sabia como agir’, diz homem que recebeu comanda com palavra ‘preto’

O funcionário público Gilberto Martins, 43, que estava participando...

para lembrar

Neymar é atingido por banana em La Paz

A atitude dos torcedores do Bolívar, que atiraram diversos...

Pesquisa investiga marcas do racismo em “famílias inter-raciais”

Cento e vinte e nove anos depois da abolição...

STJD exclui Grêmio da Copa do Brasil por ofensas racistas a goleiro Aranha

Pedro Ivo Almeida Em sessão da 3ª Comissão Disciplinar, STJD...

Em nome da equidade, mais desigualdades

Até agora, as reformas previdenciárias têm sido realizadas em...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=