ONU convoca brasileiros para combater o racismo

Os superlativos números da violência contra jovens negros no Brasil motivaram a ONU (Organização das Nações Unidas) a focar nesse problema na versão brasileira de um esforço mundial para combater o racismo. Lançada ontem, na sede das Nações Unidas em Brasília, a campanha Vidas Negras tem o objetivo de dar visibilidade a números como os do quadro ao lado e conscientizar sobre situações em que o racismo pode aparecer, como em seleções para empregos. Isso será feito por meio de vídeos e imagens que a entidade vai divulgar em redes sociais e meios de comunicação.

Por Raphael Veleda, do Metrô Jornal 

Cenas dos vídeos da campanha Vidas Negras – reprodução/onu

“O racismo mata. Os jovens negros sofrem com um racismo estrutural que buscamos combater pela conscientização de que as vidas negras importam. As vidas negras importam”, disse, no evento, o coordenador da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, destacando a última frase, que virou recentemente um símbolo da luta contra o racismo nos Estados Unidos, após episódios de violência policial.

A campanha, que em inglês ganhou a hashtag #BlackLivesMatter, fez sucesso nas redes sociais, algo que a ONU tenta agora replicar no Brasil, incentivendo a divulgação do material em redes sociais com a hashtag em português: #VidasNegras.

Para o lançamento da campanha foram convidadas autoridades e políticos. Mas quem roubou a cena mesmo foram os mestres de cerimônia, dois jovens negros que trabalham na ONU, com tiradas inteligentes. Quando o evento completou 23 minutos, por exemplo, Lázaro Silva lembrou que, pelas estatísticas, um jovem negro havia morrido desde a abertura dos trabalhos. Depois, ele falou sobre a própria experiência com uma forma comum de racismo: logo após se mudar do Rio de Janeiro para Brasília, foi alvo de uma batida policial perto de casa. “Estava com um amigo branco que não foi revistado. E me perguntaram o que eu fazia na Asa Sul. Foi um sentimento de não pertencimento, mesmo sabendo que negros como eu são maioria no país”.

Representante do governo brasileiro no evento, o Secretário Nacional de Juventude, Assis Filho, disse que o país tem dívida histórica com os negros e precisa saná-la com ações como cotas em universidades e concursos públicos.

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Entenda a crise que provoca a paralisação do governo dos EUA

Congresso precisava aprovar orçamento para permitir gastos federais. Museus, parques...

Barbosa: decisão de derrubar Dilma foi de “acuados” pela Lava Jato

Ex-herói do moralismo pátrio, o ministro aposentado Joaquim Barbosa,...

Liberdade, par perfeito da arte – Por: Cidinha da Silva

    Outro artista do Rap nacional está numa programação global,...

Beneficiários do Bolsa Família precisam se recadastrar a partir de março; veja como fazer

Usuários do Bolsa Família vão ser chamados para atualizar...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=