ONU convoca brasileiros para combater o racismo

Os superlativos números da violência contra jovens negros no Brasil motivaram a ONU (Organização das Nações Unidas) a focar nesse problema na versão brasileira de um esforço mundial para combater o racismo. Lançada ontem, na sede das Nações Unidas em Brasília, a campanha Vidas Negras tem o objetivo de dar visibilidade a números como os do quadro ao lado e conscientizar sobre situações em que o racismo pode aparecer, como em seleções para empregos. Isso será feito por meio de vídeos e imagens que a entidade vai divulgar em redes sociais e meios de comunicação.

Por Raphael Veleda, do Metrô Jornal 

Cenas dos vídeos da campanha Vidas Negras – reprodução/onu

“O racismo mata. Os jovens negros sofrem com um racismo estrutural que buscamos combater pela conscientização de que as vidas negras importam. As vidas negras importam”, disse, no evento, o coordenador da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, destacando a última frase, que virou recentemente um símbolo da luta contra o racismo nos Estados Unidos, após episódios de violência policial.

A campanha, que em inglês ganhou a hashtag #BlackLivesMatter, fez sucesso nas redes sociais, algo que a ONU tenta agora replicar no Brasil, incentivendo a divulgação do material em redes sociais com a hashtag em português: #VidasNegras.

Para o lançamento da campanha foram convidadas autoridades e políticos. Mas quem roubou a cena mesmo foram os mestres de cerimônia, dois jovens negros que trabalham na ONU, com tiradas inteligentes. Quando o evento completou 23 minutos, por exemplo, Lázaro Silva lembrou que, pelas estatísticas, um jovem negro havia morrido desde a abertura dos trabalhos. Depois, ele falou sobre a própria experiência com uma forma comum de racismo: logo após se mudar do Rio de Janeiro para Brasília, foi alvo de uma batida policial perto de casa. “Estava com um amigo branco que não foi revistado. E me perguntaram o que eu fazia na Asa Sul. Foi um sentimento de não pertencimento, mesmo sabendo que negros como eu são maioria no país”.

Representante do governo brasileiro no evento, o Secretário Nacional de Juventude, Assis Filho, disse que o país tem dívida histórica com os negros e precisa saná-la com ações como cotas em universidades e concursos públicos.

+ sobre o tema

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

Candidaturas coletivas podem acabar já em 2024; a quem isso interessa?

As candidaturas coletivas podem deixar de existir já a...

para lembrar

Obama faz discurso de posse político, otimista e focado em desafios

O discurso de posse de Barack Obama foi cheio...

Bolsonaro faz da mentira sua tática política sobre a ditadura

Ao presidente cabe esclarecer suas declarações que violam compromissos...

Para Dilma, interpretação de frase sobre luta é ‘vilania’

Pré-candidata do PT disse que não se referia a...

Fé cega, faca amolada por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva   Um amigo jovem, revolucionário, indignado com as...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...
-+=