ONU Mulheres condena estupro coletivo e feminicídio em Castelo do Piauí

Agência da ONU afirmou que o crime – um estupro coletivo – choca todo o Brasil e a América Latina pela crueldade com que as adolescentes, entre 15 e 17 anos, foram alvo da violência sexista, tendo seus corpos violados, torturados e mutilados.

No Nações Unidas

A ONU Mulheres Brasil divulgou nesta quarta-feira (10) uma nota pública se solidarizando com as quatro vítimas de estupro coletivo, ocorrido na cidade de Castelo do Piauí (PI).

A agência da ONU afirmou que o crime choca todo o Brasil e a América Latina pela crueldade com que as adolescentes, entre 15 e 17 anos, foram alvo da violência sexista, tendo seus corpos violados, torturados e mutilados.

Na nota, a ONU Mulheres destaca que, desde março deste ano, o Brasil assegurou o feminicídio – assassinato de mulheres e meninas com requintes de crueldade – como crime hediondo no Código Penal.

Leia Também: PLP 2.0 – Aplicativo para coibir a violência contra a mulher

Leia a nota na íntegra:

Nota pública da ONU Mulheres sobre estupro coletivo e feminicídio em Castelo do Piauí

A ONU Mulheres Brasil se solidariza com as quatro vítimas de estupro coletivo, ocorrido na cidade de Castelo do Piauí (PI). Este é um crime que choca a todo o Brasil e a América Latina pela crueldade com que as adolescentes, entre 15 e 17 anos, foram alvo da violência sexista, tendo seus corpos violados, torturados e mutilados. À memória da vítima fatal do feminicídio, Danielly Rodrigues Feitosa, e a seus familiares, condolências e justiça.

Desde março deste ano, o Brasil assegurou o feminicídio – assassinato de mulheres e meninas com requintes de crueldade – como crime hediondo no Código Penal por meio da Lei nº 13.104/2015. Como 16ª nação latino-americana com punição prevista em lei ao feminicídio, o Brasil foi escolhido como primeiro país-piloto para adaptar o Modelo de Protocolo Latino-americano para Investigação de Mortes Violentas de Mulheres por Razões de Gênero, elaborado pela ONU Mulheres e pelo Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, devido às políticas e à rede de serviços públicos de enfrentamento à violência.

Contudo, para além da responsabilização do poder público aos agressores, justiça e reparação às vítimas, são necessárias transformações de comportamento e atitude na sociedade e consciência pública sobre a gravidade e os altos índices de violência contra as mulheres e meninas: cerca de 50.000 estupros e 5.000 assassinatos por ano. Isso implica mudanças diárias e mobilizações, em todos os níveis, sobre a maneira com que mulheres e homens, meninas e meninos, se relacionam, adotando valores e práticas firmados na igualdade e livres de quaisquer formas de violência.

Nadine Gasman
Representante da ONU Mulheres Brasil

+ sobre o tema

Parem de personificar o racismo

Taís Araújo foi vítima de ataques racistas em sua...

Atrizes iranianas postam fotos sem véu e são obrigadas a deixar o país

Duas atrizes iranianas foram obrigadas a deixar o país...

Lesbocídio cresce significativamente no país, alerta dossiê

Documento lançado em São Paulo nesta segunda-feira (4) aponta...

Pai de Malala critica patriarcado e exalta o feminismo em pronunciamento inspirador

Ziauddin Yousafzai ainda falou da importância de criar os...

para lembrar

De todas as imagens de Carolina Maria de Jesus, a minha preferida é a do aeroporto

Fiz a viagem de volta, como dizem, Brasil-Angola, passando...

A invisibilidade dos homens trans na bandeira colorida

Grupos transexuais lutam para trazer à tona discussões de...

Conheça a história de Enedina Marques, a primeira engenheira negra do Brasil

Apesar dos importantes avanços conquistados por políticas como as...

Síndrome do impostor: por que tantas mulheres de sucesso se sentem uma fraude?

Devemos nos questionar sempre o quanto o preconceito de...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=