ONU Mulheres e Ministros repudiam ofensas a Dilma

Organização das Nações Unidas disse em nota que se trata de violência política sem precedentes o adesivo ofensivo vendido pela internet e que “é ultrajante e extremamente agressiva a apologia de violência sexual” contra a presidente Dilma Rousseff; durante a entrega da pauta de reivindicações da 5ª Marcha das Margaridas, os ministros Eleonora Menicucci, Miguel Rossetto e Tereza Campello repudiaram a ofensa; Menicucci foi procurada hoje por Murilo Laranjeira, diretor do site de vendas Mercado Livre, onde estavam sendo vendidos os adesivos

por Aline Leal na Agência Brasil

A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, recebe hoje (3) o diretor de Relações Governamentais do site de vendas Mercado Livre, Murilo Laranjeira. Ele pediu ontem (2) para falar com a ministra depois que adesivos com ofensas de cunho sexual à presidenta Dilma Rousseff foram expostos à venda no site.

Segundo Eleonora Menicucci, o material foi produzido em Recife e foram vendidas cinco unidades, cada uma custava R$ 38,90. “Eu vou ouvir, mas comunicarei a ele que, do ponto de vista civil e penal, ele também será responsabilizado”, disse a ministra, que fez representação ao Ministério Público Federal, à Advocacia-Geral da União e ao Ministério da Justiça pedindo investigação e punição para os responsáveis. O Mercado Livre é uma espécie de vitrine para vendedores independentes comercializarem seus produtos. Os adesivos foram retirados do site.

Durante a entrega da pauta de reivindicações da 5ª Marcha das Margaridas, Eleonora Menicucci, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, e a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, repudiaram a ofensa e disseram que a consideram uma violência de caráter machista contra todas as mulheres.

A ONU Mulheres emitiu nota de repúdio aos “ataques sexistas” a Dilma, e diz que se trata de violência política sem precedentes. A nota ressalta que “é ultrajante e extremamente agressiva a apologia de violência sexual” contra a presidenta da República, Dilma Rousseff, retratada em adesivos para automóveis, como “expressão de misoginia [ódio, desprezo ou repulsa ao gênero feminino e às características a ele associadas] e interpelação dos direitos humanos de mulheres e meninas”.

A entidade defende que nenhuma discordância política ou protesto pode abrir margem ou justificar a banalização da violência contra as mulheres – prática patriarcal e sexista que invalida a dignidade humana.

+ sobre o tema

Reino Unido: Polícia vai tratar denúncia de estupro com mesma severidade de ameaça terrorista

Manifestantes levantam faixa: 'estupro:um problema global' Segundo relatório, 80% das...

A burguesia sem charme, sem finesse, machista e despudorada

“Eu não vou me deixar atemorizar por xingamentos que...

Em meio a gritos de “estupra”, jovem sofre abuso coletivo no Metrô

Testemunha relata que grupo de pessoas no vagão mandava...

‘Pensei que ia morrer’, diz turista carioca estuprada em Natal

Crime aconteceu na noite desta quarta-feira (23) no bairro...

para lembrar

Travesti foi assassinada por incentivar mulher a denunciar o marido

A Polícia Civil já identificou o homem que matou...

Feminismos e masculinidades

Novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher Blay,...

“Impunidade cultiva tolerância social para a violência”

Para relatora da OEA, falta de punição aos agressores...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Menina de 15 anos é vítima de estupro coletivo na noite de Natal; amigos são suspeitos, diz polícia

Uma adolescente, de 15 anos, foi estuprada na madrugada de Natal, 25 de dezembro, em Campo Grande (MS). De acordo com a polícia, os suspeitos...
-+=