Open Government Partnership será lançado em Nova Iorque

A iniciativa internacional pretende difundir e incentivar globalmente práticas governamentais como transparência orçamentária, acesso público à informação e participação social

A Presidenta Dilma Roussef e o Presidente Barack Obama estarão à frente, no próximo dia 20 de setembro, do lançamento oficial do “Open Governmet Partnership (OGP)” – Parceria para o Governo Aberto – que será realizado em cerimônia paralela a Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, durante o evento, intitulado “O poder da abertura de dados”. O evento contará com mais de 200 participantes de governos, da sociedade civil, de líderes empresariais e da mídia.

O OGP é uma nova iniciativa internacional destinada promover avanços nos compromissos concretos por parte dos governos no sentido de garantir maior acesso às informações públicas, aumentar a participação cívica, combater a corrupção e aproveitar novas tecnologias para tornar os governos mais transparentes, eficazes e responsáveis diante dos cidadãos. A iniciativa é um esforço de vários países e contempla um Comitê de Coordenação que se encontra sob a responsabilidade dos EUA e o do Brasil.

O Comitê é composto por oito representantes de governos e nove organizações da sociedade civil, entre elas, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), que é representado por Atila Roque, membro do colegiado de gestão da instituição. A escolha do Instituto se deu devido ao reconhecimento do seu trabalho na área de análise do orçamento público e acesso a informação, que é desenvolvido há quase vinte anos (desde 1992).

Durante o lançamento da OGP, os membros do Comitê Diretor endossarão uma Declaração de Princípios e apresentarão os Planos de Ação nacionais, comprometendo-se a adotar medidas concretas para o aumento da integridade pública, a gestão mais efetiva dos recursos e dos serviços públicos, a criação de comunidades mais seguras, e o aumento da integridade no setor privado. Devem, também, concordar em se submeter a um mecanismo independente de avaliação da implementação desses compromissos. Na ocasião também será formalizada a adesão de outros 40 países ao OGP.

Segundo Atila, “o OGP é de grande importância especialmente em um momento em que o Brasil procura ampliar a sua influência nas instâncias de governança global, sublinhando o compromisso do país em relação ao acesso amplo às informações públicas”. Ele ressalta ainda que “é extremamente relevante e inovador o fato desta iniciativa contar desde as suas origens com a participação de organizações da sociedade civil internacional comprometidas com a luta pela abertura dos dados governamentais, em sua instância máxima de coordenação”.

Atila Roque também destaca que o protagonismo do Brasil se encontra, nesse momento, gravemente comprometido pelas dificuldades encontradas em aprovar a nova Lei de Acesso à Informação, atualmente bloqueada no Senado. “Seria fundamental uma orientação política mais incisiva da Presidente Dilma para que a sua base de apoio no Congresso se empenhe verdadeiramente na aprovação da lei sem restrições”.

Adriano Campolina, coordenador executivo da Action Aid – Brasil, será outro participante da sociedade civil brasileira que fará parte do evento. “Participamos desde junho de 2011 das discussões sobre a realização do OGP, e este é um passo importante na direção correta. Esperamos que vários países venham a adotar os planos de ações propostos para que tenhamos progresso na luta contra a pobreza e a corrupção”, afirma Campolina.

Saiba mais sobre o OPG

O OGP é uma iniciativa multilateral que promove um governo aberto e responsável diante dos seus cidadãos, sob a supervisão de um comitê composto de oito governos e nove organizações da sociedade civil. Entre os objetivos do OGP estão: 1) Reforçar as normas em torno de acesso a informação pública; 2) Mostrar inovações na governança democrática dos países desenvolvidos e em desenvolvimento; 3) Obter compromissos concretos por parte dos governos de cumprir a agenda do governo aberto; e 4) Ter a sociedade civil como um parceiro fundamental na iniciativa do OGP.

A iniciativa nasceu em janeiro de 2011, quando o governo dos EUA convidou alguns países para discutir a idéia de uma proposta internacional para a promoção da transparência. Na ocasião, estiveram presentes nove países e nove representantes da sociedade civil, dos respectivos países a saber: Brasil, Índia, Indonésia, México, Noruega, Filipinas, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos.

Neste mesmo momento, também foi montado um Comitê de Coordenação e seus membros se comprometeram a fazer contatos diplomáticos com o objetivo de convidarem um número mais amplo de governos para aderirem à idéia. As discussões do mês de julho contaram com mais de 50 países e a proposta do OGP foi apresentada com o objetivo de incentivar que mais países participem da iniciativa.

Congregando nações e organizações da sociedade civil líderes em transparência e governo aberto, a OGP é um veículo para se avançar mundialmente no fortalecimento das democracias e dos direitos humanos, na luta contra a corrupção e no fomento de inovações e tecnologias para transformar a governança do século XXI.

Fonte: OpengovernPaternship

+ sobre o tema

Vitória: Mumia Abu-Jamal, do panteras negras, não será mais executado

O ativista negro Mumia Abu-Jamal, ex-membro do grupo Panteras...

Paris: ‘Um Fogo Negro num País de Brancos’

O primeiro negro numa aldeia belga nos anos 90 Paris:...

Hoje na História, 15 de maio de 1994, acontecia o Genocídio em Ruanda

por: Lucyanne Mano O genocídio em Ruanda deixou 800 mil mortos...

ONU Novos canais de financiamento tornam África crítica de “lições

Por Lusa O secretário executivo da Comissão Económica da ONU para...

para lembrar

Toni Morrison: ‘I want to see a white man convicted for raping a black woman’

The Nobel prize-winning author tells Daily Telegraph that America’s...

Livro conta história de Jeremiah G. Hamilton, primeiro milionário negro de Wall Street

Jeremiah G. Hamilton, milionário que teve a vida retratada...

Nova Orleans vive explosão cultural pós-Katrina

A centenária tradição artística de Nova Orleans, cidade...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

‘Fui um menino negro criado por avós supremacistas brancos que me ensinaram a saudação nazista’

Shane McCrae é um consagrado poeta norte-americano. Ele foi premiado diversas vezes, publicou uma dezena de livros e é professor de redação criativa da...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...
-+=