Organizações de Mulheres Negras se encontram com relatora da OEA

Representantes de Criola e Geledés – Instituto da Mulher Negra, estiveram em Montevidéo, Uruguai, reunidas com a Sra. Margarette May Macaulay, relatora especial para os direitos da população afrodescendente e mulheres na CIDH/OEA, no dia 29 de outubro, por ocasião do 165º período ordinário de sessões da CIDH OEA – audiências públicas, para a entrega de relatório atualizado sobre a situação de violências e violações contra as mulheres negras brasileiras. Os casos foram inicialmente apresentados à Relatora durante as audiências realizadas em São Paulo e Rio de Janeiro em agosto de 2016.

por Nilza Iraci Diretora do Geledés Instituto da Mulher Negra

Também foram acrescentados novos casos que confirmam o alarmante aumento do quadro de violação dos direitos das negras brasileiras no ano de 2017.

Apesar de o Brasil ter assumido nas últimas décadas agendas internacionais para a diminuição das desigualdades e enfrentamento da violência de gênero, os instrumentos e ações não tem se demonstrado apropriados para a garantia do bem-viver das mulheres negras.

Incrementando o quadro crítico, o Brasil vivencia golpe político e econômico que, com seus intuitos antidemocráticos e reacionários enunciados pelas reformas da previdência, trabalhista, política e pelo congelamento de gastos em educação e saúde impostos pela emenda constitucional 95/2016, se reflete de maneira preocupante no contexto de perda de direitos das mulheres negras, suas famílias e comunidades.

As atualizações feitas pelas suas protagonistas e incorporadas ao documento entregue, revelam: morosidade judicial; aumento do feminicídio contra mulheres negras; a continuidade da luta das mães dos jovens assassinados pelo Estado e sua busca por justiça; o aumento da violência policial; os assassinatos de mulheres trans e lésbicas; violência obstétrica e mortalidade materna de mulheres negras; as violações aos direitos das mulheres negras encarceradas e a política de drogas; a criminalizacão das defensoras de direitos humanos; e a violência policial contra os jovens estudantes secundaristas.

Os dados revelam, ainda, que, por trás das violências, em seus direitos de vida e/ou integridade psicofísica estão mulheres negras que chefiam grande parte das famílias em situação de insegurança social em periferias e favelas. O adoecimento e até mesmo a morte destas mulheres é desencadeada por este contexto de vulnerabilidade racial/social e de perdas.

Adailton Moreira, representante do Ile Omiojuaro, também esteve  presente neste encontro e entregou  um levantamento jornalístico sobre a situação de intolerância contra religiões de matriz africana que afeta, em grande parte, mulheres negras.


 

 1- http://www.objetivosdomilenio.org.br/

2 - https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/

+ sobre o tema

Homem ameaça pelo Facebook fazer “o mesmo que o cara de Campinas” e é preso

Rodrigo Nomura Guerreiro fez uma série de ameaças contra...

Quem você vai ajudar?

Se você assiste ou sabe de uma situação de...

Pedido de indulto para as mulheres, em comemoração ao dia da mulher

EXMA. PRESIDENTA DA REPÚBLICA, SRA. DILMA ROUSSEFF EXMO. SR. MINISTRO...

para lembrar

Nós? por Sueli Carneiro

A juíza federal Mônica Sifuentes em artigo contrário à...

Lute como uma garota! – Gênero e Democracia na Escola

Superar o machismo e o racismo é parte fundamental...

#NegrasRepresentam – Campanha homenageia mulheres no Novembro Negro

Ao longo do Novembro Negro, o MercAfro, o Portal Soteropreta...

Mulheres Negras: PRESENTE!

Artigo em alusão – 25 de julho – Dia...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=