Orgulho Crespo: O que meu cabelo fez pra ser chamado de ruim?

São Paulo, 2015. Um dia após a data na qual é celebrado o dia da mulher negra latina e caribenha, o vão do MASP foi ponto de concentração para a primeira Marcha do Orgulho Crespo. O concreto de Lina Bo Bardi foi tomado pelas cores, turbantes, grandes brincos e os mais variados cabelos crespos. Das longas tranças às cabeças raspadas, dos black powers aos cachos mais tímidos, dos cabelos coloridos aos turbantes ainda mais coloridas: todas e todos estavam reunidos para celebrar o orgulho que é ser negr@. O cabelo crespo não é cabelo ruim, o cabelo crespo é coroa, que todas as negras e negros carregam consigo, junto de sua ancestralidade africana.

Do Medium

Histórias de vidas foram compartilhadas pelo megafone em uma roda formada pelos participantes antes da saída da Marcha. Cada fala era saudada pelos companheiros e companheiras com palmas e gritos de força. A dor e o preconceito sofrido por um é sentido por todos. O ato festivo e político contou com a presença de Karol Conká — artista negra e ícone do hip-hop — , que foi recebida com a euforia por todos no ato.

Porque celebrar o orgulho do cabelo crespo em uma sociedade racista é sim um ato revolucionário e subversivo.

1-ukRnXr3LANw2ZvkU5wbyCw

1-iJUW987EztLY45YuBk6shw

1-JE01tSYXHxFIFu9oB2pgtw

1-NW6hHRUbxh6Ymm_O-OwluA

1-crxpIQPsPP280s1VQtJA2Q

1-6MjlNCq_k-5kQFseL-XvKw

1-87v1e1DR_DcYCj3JuR_nbQ

1-5iKi9nbEk2PzNRh6FFaM_w

1-KQ47ATwIpnuYdTyKb-TbSg

1-GVTy6pbNJif3qS-BC84kgQ

1-3u1_mAkAGY3zLNQCkyIB3g

1-1HTcvUPWxdVUsS5VOyiP6A

1-QWQwsNoOLc8dmwMUuFd4nA

1-HQxQbeObCRwWk_jToHz8Dg

+ sobre o tema

Rapaz trabalha como diarista há 7 anos no ES e diz que não se importa com preconceito

Para psicóloga e consultora de carreiras, o mercado de...

Cortes em programas sociais devolvem mulheres à miséria e à violência doméstica, dizem especialistas

Autonomia que mulheres alcançaram com Bolsa Família está ameaçada,...

‘Veto mostra falta de sensibilidade e reflete o misto de desumanidade, omissão e indiferença’

Veto contra a distribuição gratuita de absorventes mostra falta...

A rainha do lar virou cidadã

Neste 8 de março de 2010, o Dia Internacional...

para lembrar

Centenas de milhares protestam contra casamento gay em Paris

Centenas de milhares de manifestantes saíram às ruas de...

Mulheres negras, deficiência e invisibilidade – Por: Jarid Arraes

Cerca de 40% das mulheres com deficiência já sofreram...

“O Brasil ainda é extremamente colonial”

Grada Kilomba nasceu em Portugal, cresceu em São Tomé...

Uma “entrevista” com Florbela Espanca. Por Camila Nogueira

A portuguesa Florbela Espanca (1894 – 1930) foi uma...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=