Os crimes de discriminação nos hospitais

Por Caiubi Miranda

– Ei, negão! O remédio do meu pai já tá meia hora atrasado!

A interpelação partiu de um jovem parado na porta do quarto 330 onde seu pai estava hospitalizado.  O interpelado era um Técnico de Enfermagem, Joacir, que ignorou o chamado do jovem e continuou caminhando pelo corredor.

– Eu não vou mais atender ao paciente do 330, é um desgraçado de um racista. Esse foi o desabafo do Joacir para a Enfermeira Chefe, responsável pela gestão da equipe de trabalho naquele turno. A Enfermeira Chefe buscou acalmar Joacir mas sabia que teria que remanejar seu pessoal de forma que o quarto 330 não fosse mais atendido por um Técnico de Enfermagem que fosse negro, como Joacir.

A situação que pareceria banal à maioria das pessoas é sintomática de um mal que, aparentemente, vitima grande parte dos hospitais brasileiros, pequenos ou grandes, públicos ou privados: o preconceito dos pacientes e seus acompanhantes em relação à equipe de enfermagem do hospital.  A questão torna-se particularmente importante  porque, por razões não muito claras, a maior parte dos profissionais da área é negra e há, também, muitos homossexuais.

Um grande e dos mais conceituados hospitais de São Paulo decidiu entender e buscar uma solução para o problema. Na visão da área jurídica do hospital, as manifestações de racismo e homofobia são crimes tipificados. Ao envolver empregados do hospital e ocorrendo em suas dependências, sua omissão poderia ser encarada pela justiça como acobertamento de um crime ou, mesmo, cumplicidade. Mais que isso: para diminuir seus problemas, embora não oficialmente, nos processos de seleção de novos empregados a área de recursos humanos passou naturalmente a dar preferência aos candidatos brancos e, até onde era possível identificar, heterossexuais. Esse era, sem sombra de dúvida, um procedimento racista tipicamente criminoso.

Identificado e dimensionado o problema, a direção do hospital passou a buscar soluçõese percebeu, então, que o fato era muito mais complexo do que parecia à primeira vista. Como evitar que os pacientes internados ou seus acompanhantes tivessem comportamento preconceituoso – racista ou homofóbico – em relação aos empregados? O hospital não podia simplesmente expulsar esses pacientes e sequer adverti-los formalmente. Isso implicaria em coleta de provas, em ouvir testemunhas…

– Nós estamos aqui para curar o paciente, não temos responsabilidade e nem ação sobre seus valores e crenças pessoais, argumentou o diretor médico da instituição numa reunião para tratar do assunto.  – E eu jamais vou fazer um boletim de ocorrência numa delegacia denunciando um paciente que nos procurou para tratar de um problema grave de saúde que exigiu sua internação, completou. Considerava-se também que o processo de internação era, por si só, estressante e deixava pacientes e acompanhantes nervosos e exaltados.

Por outro lado, havia a questão dos crimes cometidos contra os empregados e do potencial risco legal para o hospital. Nem sempre, a manifestação de preconceito limitava-se a um mero “Ei, negão” como no caso do Joacir. Existiam muitas situações mais graves e delicadas que essa e que não estavam sendo tratadas. Em geral, a Enfermeira Chefe ou mesmo alguém mais graduado procurava acalmar o empregado discriminado, dizendo que era um ônus da profissão e que ele precisava lidar com aquela situação.

Foram consultados outros grandes hospitais que reportaram ter o mesmo problema e que não tinham conseguido equacionar uma situação para ele e, ao final de três meses de discussão, esse grande e conceituado hospital de São Paulo chegou à conclusão que tinha um problema insolúvel e que tinham que conviver com ele.

Apenas para minorar a gravidade da situação, foram adotadas três providências:

a) a área de seleção de novos empregados não poderia, de forma alguma, discriminar no processo de seleção empregados não brancos ou homossexuais; o percentual histórico deveria ser mantido ao longo do tempo;

b) a política de não discriminação do hospital seria incluída no livreto de orientações gerais entregue ao paciente no momento no momento da sua internação;

c) os novos empregados negros e homossexuais receberiam uma orientação especial de como agir nessas situações, evitando um conflito com o paciente ou seu acompanhante.

Essas medidas são apenas paliativas e não solucionam o problema. Crimes de discriminação continuam sendo cometidos nos hospitais. E os hospitais, à medida que são coniventes com eles, passam a ser cúmplices.

Obviamente não é uma situação fácil de solucionar e ignorá-la só vai contribuir com sua perpetuação.

 

 

 

Fonte:  Luis Nassif Online

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Carlos Moore: Brasil vive uma grande hipocrisia, os brancos brasileiros negam o racismo

Carlos Moore: Brasil vive uma grande hipocrisia, os brancos...

Juíza culpa vítima e inocenta PMs acusados de matar africano

Keka Werneck A justiça de Mato Grosso absolveu os policiais...

Combatendo o racismo: Brasil, África do Sul e Estados Unidos

Antonio Sérgio Alfredo Guimarães Como enfrentar hoje, pelo menos no...

Proprietário vende time da NBA após novo escândalo de racismo

Bruce Levenson, dono do Atlanta Hawks, fez denúncia contra...
spot_imgspot_img

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou que o Estado do Rio de Janeiro e o município do Rio se abstenham de apreender e...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria racial e ter sido esganado por uma mulher após discutir com o genro dela, em São...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...
-+=