Os saberes popular e científico sobre a santa capsaicina

Por: Fátima Oliveira

Deu o que falar a “A santa ardência da malagueta: comer pimenta é uma arte” (Opinião, 22.2). Desde indagações sobre o valor nutricional, medicinal e afrodisíaco das pimentas sobre diferenças medicinais entre pimenta-do-reino, malagueta e demais do gênero “capsicum”. Recomendo o livro “Pimenta e seus Benefícios à Saúde”, do homeopata e especialista em saúde pública Márcio Bontempo (Editora Aalúde), disponível na internet. Lê-lo fascina pela riqueza dos aprendizados, pois “Depois do sal, a pimenta é o ingrediente culinário ou tempero mais usado no mundo”.

São mais conhecidos dois gêneros de pimentas: o pipere e o “capsicum”. Das piperáceas, originárias do Oriente, a mais famosa é a pimenta-do-reino (Pi-per nigrum), cujo princípio ativo é a piperina; de acordo com a época da maturação, há pimenta-verde, pimenta-branca e pimenta-preta, cujo princípio ativo é a piperina.

Do gênero capsicum conhecemos cerca de 27 espécies, que têm como princípio ativo mais importante a capsaicina, que não se modifica com o calor, álcool, vinagre ou óleo. A malagueta Capsicum frutescens, apreciada nas versões malaguetinha, ou malagueta silvestre ou caipira, e híbrida – maior e mais robusta -, é a mais usada em conservas. Há capsaicina (0,005% a 0,1%) no pimentão Capsicum annuum, o vegetal com mais alto teor de vitamina C, do qual é feita a especiaria páprica (pimentão seco e moído).

As pimentas, além do valor nutritivo, são alimentos funcionais – contêm nutrientes e substâncias de ação protetora e terapêutica. São tidas também como alimentos termogênicos, isto é, que ajudam no metabolismo, queimando calorias com maior rapidez. A pimenta-do-reino apresenta propriedades medicinais semelhantes às “capsicum”. E foram usadas, pelo alegado poder antisséptico, nas fórmulas de embalsamamento das múmias no Egito. No Oriente, há milênios é usada como expectorante e vermífugo, além de remédio para indigestão crônica, febre, sinusite, alterações metabólicas, obesidade, dores musculares e cefaleias.

Há registros de que os incas, astecas, maias, tupis e guaranis usavam pimentas como alimento e remédio. A capsaicina é uma das substâncias objetos de inúmeras e promissoras pesquisas na última década; até para descobrir se atua em cânceres, tendo sido comprovada sua eficácia como analgésico, anti-hipertensivo, redutor de colesterol e anticoagulante, indicado na prevenção de infartos, trombose e acidente vascular cerebral (AVC).

No mercado, há capsaicina em creme e em pomada para artrites (as “antigas dores nas juntas”), sendo muito prescrita na medicina esportiva para tratar lesões, torções e nevralgias.

O uso das pimentas como afrodisíaco é antigo, remonta ao século XVI. Na Renascença, era interditada aos jovens, por ter fama de ser o tempero do amor, capaz de aguçar a sensualidade. Durante séculos, para evitar o desejo sexual, as pimentas em geral eram proibidas a monges, sacerdotes, discípulos e religiosos celibatários. Indianos e chineses alegam que a raridade dos casos de infertilidade masculina entre eles deve-se ao uso regular das pimentas.

Na Calábria (Itália), onde o hábito de comer pimenta “in natura” é a regra, os homens possuem taxas de espermatozoides bem superiores à média mundial. É de lá a receita da medicina tradicional que indica “a ingestão de uma a duas pimentas pequenas (tipo malagueta) por dia, às refeições, sem mastigar, como se fossem pílulas, para casos de esterilidade ou baixa contagem de espermatozoide”.

Fonte: O Tempo

+ sobre o tema

Lula defendeu o piso salarial de R$ 1.024,00 para professores

Categoria está em greve em São Paulo; sem Dilma,...

A inteligência de cada um

Estudos mostram que a genética é crucial. Outros fatores...

Eleições: Está na hora de oxigenar instituições e fazer valer grito das ruas

Por: Mônica Francisco Na próxima semana começa a propaganda eleitoral....

O transporte de tração animal no Central Park e no Sul de Minas

Sou aficionada por revistas e livros sobre animais de...

para lembrar

Black power: os negros na eleição de Salvador

Hamilton Silva, do PSOL, quer ser prefeito de...

Filha de MC Marcinho diz que música a salvou da depressão: ‘Me automutilava’

Ela tem18 anos e conviveu por muito tempo com...

Museu Afro Brasil ganha APCA 2009

S. Paulo - O Museu Afro Brasil - Organização...

Todos podem ter vida digna já, diz criador do Fórum Social Mundial

Outro mundo ainda é possível? Diante da trajetória recente...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=