Guest Post »

Óscares: Quem decide quem ganha?

São os membros, através de voto secreto, que decidem os vencedores (AFP)

Já se sabe que os prémios mais cobiçados de Hollywood são atribuídos pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, mas pouco mais se sabe sobre quem realmente decide e vota nos nomeados. Actualmente, a Academia conta com 5765 membros votantes, são eles que escolhem os filmes nomeados e os vencedores. Mas quem é que está realmente por trás dos boletins de voto?

Uma investigação do Los Angeles Times, que descobriu a identidade de mais de 5100 membros (cerca de 89% das pessoas que votam para os Óscares), revela que o grupo votante não representa uma igualdade justa e representativa do mundo do cinema e que muitos nomes reconhecidos do meio nem sequer integram esta lista, o que influencia obviamente os vencedores aos Óscares.

A justificar estão os números gerais: 94% são brancos, 77% são homens e 54% têm mais de 60 anos. Estes são os números que saltam à primeira vista e que dão azo a uma especulação que não é nova. Poucas raças representadas, poucas mulheres e poucos jovens. Quase o oposto daquilo que se passa no mundo cinematográfico.

Ainda recentemente, o realizador da saga “A Guerra das Estrelas”, George Lucas, que não é membro da Academia, se queixou, numa entrevista a Jon Stewart, do racismo existente em Hollywood, destacando que são raras as vezes em que os filmes são protagonizados por actores negros, ou que estes são reconhecidos.

Até hoje, em 83 anos de história dos Óscares, apenas cerca de 4% dos prémios de representação foram para actores afro-americanos. Nos confrontos entre homens e mulheres, os resultados ainda são mais díspares. Kathryn Bigelow foi a única mulher a receber o Óscar de Melhor Realizador por “Estado de Guerra” e isto aconteceu apenas em 2010.

No ano a seguir, em 2011, Samuel L. Jackson queixou-se de não ter existido em toda a cerimónia de entrega dos Óscares um apresentador masculino negro. “É obvio que não existe NENHUM actor preto em Hollywood que saiba ler um teleponto, ou que não seja fixe o suficiente”, disse o actor ao Los Angeles Times.

E depois há a questão da idade. Também no ano passado, os responsáveis da Sony Pictures, produtora do filme nomeado “A Rede Social”, disseram na altura que consideraram que o filme sobre a criação da maior rede social, o Facebook, não conquistou o Óscar de Melhor Filme, que foi entregue a “O Discurso do Rei”, porque os membros da Academia mais velhos, que representam mais do que a maioria, não se identificariam com a história da Internet.

Para a actriz afro-americana Alfre Woodard, que é membro da Academia desde 1985, se a idade média dos votantes fosse entre os 45 e os 50 anos, por exemplo, o filme “Shame”, no qual Michael Fassbender dá vida a um homem viciado em sexo, seria um forte candidato aos Óscares. Para a actriz, “Shame”, que se destacou entre a crítica, não é o tipo de filme que um público mais velho “vá a correr ver”.

Apesar de todas as polémicas e críticas, o presidente da Academia Tom Sherak já garantiu que não foram dadas ordens aos produtores da cerimónia, Brian Grazer e Don Mischer, para que incluíssem mais minorias na gala. “Os produtores produzem o espectáculo, fim da história”, disse Sherak ao jornal norte-americano, lembrando que Academia nunca se deixou influenciar por essas questões.

Mas quem são afinal estes membros?

Originalmente, os membros da Academia estavam divididos em cinco categorias, cada uma representando uma área diferente do cinema, nomeadamente os produtores, argumentistas, os realizadores, os actores e os técnicos. No entanto, com o aumento da indústria, estas categorias foram aumentadas para 14 grupos, de forma a se incluírem as áreas administrativas (executivos e relações públicas) e subdivisões na categoria das técnicas (directores criativos, fotografia, edição, som). Desde o seu início que um membro só pode integrar a Academia por convite, sendo que até 2004 os convites não eram públicos. Desde então, todos os anos os novos membros são notícia. Em 2011, por exemplo, a Academia anunciou a entrada de mais 178 novos membros, entre os quais se destacavam nomes como o actor Russell Brand, a actriz Mila Kunis, o realizador Tom Hooper ou a artista Beyoncé Knowles.

Segundo a constituição da Academia, qualquer pessoa se pode ser convidada formalmente para membro, basta apenas que tenha feito de alguma forma uma contribuição valiosa no mundo do cinema, ou que tenha sido distinguido com o seu trabalho no ramo ou, noutros casos, que um membro proponha o seu nome, que terá obviamente de ser justificado, não se distinguido aqui a nacionalidade, existindo actualmente membros de mais de 20 países. Entre os nomes não americanos destacam-se por exemplo o compositor britânico Andrew Lloyd Webber, o designer de moda indiano Bhanu Athaiya, ou o cineasta italiano Vittorio StoraroDepois de convidados pela Academia, o cargo é vitalício, mesmo que entretanto se retirem do cinema ou se reformem. Ou como aconteceu em muitos casos, actores que em tempos áureas se destacaram em Hollywood e que entretanto foram esquecidos pela indústria. Quem não se lembra do actor Steve Guttenberg, que na década de 1980 foi a grande estrela da saga “Academia de Polícia”?

Fonte: Via Público

Related posts