Otan mata ao menos oito mulheres civis durante bombardeio no Afeganistão

Pelo menos oito mulheres morreram neste domingo em um bombardeio aéreo realizado por forças da aliança militar Otan, de acordo com informações de autoridades locais do Afeganistão.

A Otan reconheceu que entre cinco e oito civis morreram durante a sua ação que tinha como alvo insurgentes do Talebã. O caso está sendo investigado pela aliança militar.

O ataque aconteceu em uma remota região de Laghman, província no leste do país. As autoridades de Laghman confirmaram à BBC a morte de pelo menos oito mulheres, mas um integrante de um conselho político local disse que existe uma nona vítima.

O porta-voz da Otan, o militar Adam Wojack, disse à BBC que vários dos 45 insurgentes que eram alvos do bombardeio aéreo morreram.

– Infelizmente nós ficamos sabendo de possíveis fatalidades civis causadas pela Isaf [as forças internacionais] como resultado deste ataque, totalizando entre cinco e oito afegãos – disse.

– A Isaf oferece seus pêsames mais sinceros à comunidade afetada e aos familiares, assim como ao povo afegão em relação a esta perda trágica de vidas.

Pelo menos sete mulheres ficaram feridas. Uma autoridade de saúde local, Latif Qayumi, disse que meninas de até dez anos de idade estão entre os feridos.

O gabinete do governador de Laghman disse que algumas das civis mortas estavam nas montanhas juntando lenha e nozes, uma prática comum no vale do Noarlam Saib, onde ocorreu o ataque.

A região montanhosa e com densas florestas atraiu o Talebã, que se esconde na área.

A morte de civis acontece em meio a tensões entre os Estados Unidos e o presidente afegão, Hamid Karzai, sobre o tema.

No mês passado, dados da ONU indicavam que houve uma queda de 15% no número de civis mortos e feridos no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2011.

Policiais contra soldados

Também neste domingo, quatro soldados americanos foram mortos em ataques atribuídos a policiais afegãos. Este atentado na província de Zabul, no sul do país, elevou para 51 o número de soldados da Otan mortos por pessoas que trabalham para as forças de segurança afegãs.

No sábado, dois britânicos haviam sido mortos em um incidente semelhante. A Isaf ainda investiga o caso para tentar entender se os agressores eram de fato policiais, ou apenas insurgentes com uniformes.

Há suspeitas de que se trata de políciais de verdade, já que quatro oficiais afegãos desapareceram da base onde aconteceu o ataque.

A Otan revelou mais dados sobre o ataque da noite de sexta-feira a Camp Bastion, uma de suas bases de maior segurança, na província de Helmand. Na ocasião, dois fuzileiros navais americanos morreram.

A Otan disse que seis aeronaves US Harrier, três postos de reabastecimento e seis hangares foram destruídos. Quatorze insurgentes morreram no ataque, e um deles sobreviveu e está preso. Nove pessoas da coalizão de forças internacionais ficaram feridas.

A Otan disse que o ataque foi feito por pessoas que “pareciam estar bem equipadas, treinadas e ensaiadas”.

 

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Tereza Ferraz: Simone de Beauvoir – Drop 3

Até os doze anos a menina é tão robusta...

Brasil registrou uma denúncia de violência doméstica por minuto em 2020

RIO — Ao longo de 2020, foram realizadas 694.131...

17 anos sem Rosa Parks, a mulher negra que recusou ceder lugar a um branco

Em 1955, a norte-americana Rosa Louise McCauley Parks se...

para lembrar

Lei Lola foi Aprovada hoje

Do Escreva Lola Escreva Uma boa notícia em meio a...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro...

‘O amor une. A homofobia, não’: MEL lança primeiro comercial com beijo gay da TV brasileira

O Movimento do Espírito Lilás (MEL) em parceria com...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=