Países africanos isolarão áreas com casos de ebola

O surto de ebola, o mais grave registrado desde a descoberta da doença em 1976, já infectou 1.323 pessoas desde março, das quais 729 morreram

As autoridades de Guiné, Libéria e Serra Leoa anunciaram que vão isolar as áreas que concentram 70% dos casos de ebola e que poderão restringir a circulação de pessoas, segundo um comunicado oficial divulgado neste sábado (2).

Os três países mais castigados pela epidemia concordaram em isolar as cidades e aldeias nas regiões fronteiriças que concentrem mais de 70% dos casos de ebola registrados. A quarentena será controlada pela polícia e pelas Forças Armadas.

Poucas horas antes, a diretora geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Margaret Chan, alertou que os países afetados pela epidemia poderiam ser obrigados a restringir a circulação de pessoas e a utilizar suas forças policiais para proteger o trabalho das equipes de saúde.

O surto de ebola, o mais grave registrado desde a descoberta da doença em 1976, já infectou 1.323 pessoas desde março, das quais 729 morreram.

Voos suspensos
A companhia aérea Emirates suspendeu aos voos para a Guiné a partir deste sábado por tempo indeterminado devido aos casos de ebola no país. “A segurança dos nossos passageiros e da tripulação não será comprometida”, diz o comunicado da empresa.

Seguindo orientações da IATA, associação que reúne as empresas aéreas, e da OMS (Organização Mundial de Saúde), várias companhias e aeroportos passaram a examinar passageiros de voos vindos do oeste da África.

Segundo a OMS, caso uma pessoa infectada pegue um voo, o risco para os demais passageiros é baixo, pois o vírus não se propaga pelo ar, mas apenas por contato direto com o sangue e os fluidos corporais de pessoas e animais infectados

O ebola causa hemorragias graves e sua taxa de mortalidade chega a 90%. A epidemia já matou 339 pessoas na Guiné, 233 em Serra Leoa e 156 na Libéria. Também há o registro de uma morte na Nigéria.

Americanos resgatados
Dois americanos infectados com o ebola serão levados para os Estados Unidos em voos especiais. Eles serão isolados e tratados em um hospital em Atlanta. O primeiro deles deve retornar ao país neste sábado.

As autoridades de saúde disseram que a chegada deles não traz riscos para a população americana.

Fonte: O Tempo

+ sobre o tema

Africanos estão entre as maiores vítimas do tráfico humano na Europa

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime,...

Socialistas franceses obtêm vitória no primeiro turno das eleições parlamentares

Hollande precisa ter maioria parlamentar para levar por...

Milhares de indianos pobres marcham por justiça social

Milhares de indianos entre os mais pobres do...

para lembrar

Círculo Áfricas: contribuições de intelectuais e artistas africanos no Brasil

O Projeto Círculos Áfricas tem como objetivo organizar...

Leões africanos estão na mira dos traficantes de animais

Máfias asiáticas estão trocando a caça ao rinoceronte, que...

Promotoria sul africana suspende acusações polêmicas

As acusações de homicídio contra 270 mineiros que...

Em dia histórico, Carolina do Sul nomeia seu primeiro senador negro

Pela primeira vez na história da Carolina do Sul,...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=