Primeira atriz negra fará papel de Cinderela na Broadway

 por Maitê Brusman

O mundo dos contos de fadas acaba de ganhar uma surpresa na Broadway. Pela primeira vez, uma atriz negra fará o papel de Cinderela no circuito teatral de Nova York. A escolhida foi Keke Palmer, cantora, apresentadora e principal atração da série da Nickelodeon “True Jackson”.

“É honestamente uma daquelas coisas difíceis de acreditar que estão acontecendo. Estou tão empolgada e nervosa. São muitos sentimentos juntos”, disse a atriz, que estreará nos palcos com o papel, à Associated Press. “O teatro oferece muito mais do que eu fiz com filmes e televisão. Estou muito ansiosa para manter o foco e a dedicação necessários para cada apresentação.”

Aos 21 anos, Palmer substituirá a a atriz Paige Faure, que herdou a vaga da cantora canadense Carly Rae Jepsen, do hit “Call me maybe”. Ela ficou conhecida por ser a protagonista de “True Jackson”, além dos papéis coadjuvantes em “Masters of sex” (como Coral) e “Barrados no baile” (Elizabeth). Ela também tem um programa próprio, o talk show “Just Keke”.

Os pais da artista, Sharon e Larry Palmer, trabalharam como atores profissionais, e ela cresceu vendo suas atuações. No entanto, ela foi selecionada por seus múltiplos talentos.

“Ela atua lindamente, dança, canta. É uma jovem incrível”, disse a produtora Robyn Goodman, vencedora do prêmio Tony, o principal da Broadway. “Acho que ela vai ser adorável neste papel.”

Segundo Palmer, uma de suas heroínas é a cantora e atriz negra Brandy Norwood, que foi Cinderela em um filme de televisão com Whitney Houston.

“Sinto que a razão de eu estar assumindo o papel é justamente por ter visto Brandy fazê-lo na TV. Isto mostra que tudo é possível.”

Cinderela é mais uma das novidades da Broadway em termos de raça. Além de dar cada vez mais espaço a atores de origem latino-americana e asiática, títulos como “O fantasma da ópera”, “Os miseráveis”, “Aladdin” e “Romeu e Julieta” têm destacado artistas negros.

Escrito para TV e lançado em 1957, o musical de Rodgers e Hammerstein foi encenado três vezes nas telinhas, e estrelou na Broadway com diferentes elencos desde 1958.

Fonte: Vale do Sol 

+ sobre o tema

Aparelha Luzia, o quilombo urbano de São Paulo

Espaço cultural fomenta debates políticos voltados para a população...

Avô da literatura africana, Chinua Achebe morre aos 82 anos

Reportagem de Tim Cocks O romancista e poeta...

Confira o clipe : We Are The World 25 For Haiti

Gravado no dia 1º de fevereiro de 2010, no...

para lembrar

Mano Brown participará do The Voice EUA nesta terça-feira

Que The Voice Brasil que nada! Amanhã, terça-feira (28),...

Cara pálida, este ensaio não é uma ameaça

– duas linhas de metrô e um trem é...

Uma aula de inclusão racial com um menino de 10 anos

"É importante mostrar a realidade a partir do ponto...

Curta sobre a vida de universitários africanos em Floripa na UFSC

No dia 27 de maio, terça-feira ás 19h, aconteceu...
spot_imgspot_img

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...

O atleta negro brasileiro que enfrentou o nazismo nas Olimpíadas de 1936

A poucos dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris, em uma Europa cada vez mais temerosa com a agenda política de forças alinhadas...
-+=