Palavra real

Nas manhãs de véspera ao dia de saudar o Rei, a cidade se torna um quiabal. Por todos os cantos e ruas, vendedores moços e velhos oferecem quiabos frescos, graúdos e belos já ensacados. Ai de quem disser com os olhos que gostaria de escolher os quiabos. O vendedor responderá, também com o olhar, que os quiabos já são selecionados, afinal, destinam-se à mesa do Rei.

Por Cidinha da Silva para o Portal Geledés 

Quando, desconfiada, a compradora chegar à casa com o pacote fechado e só de pirraça quebrar as pontas do que se transformará na comida real, verificará que todos estão bons.

Vencida, compreenderá que aqueles vendedores de quiabo são filhos do Rei postados nas esquinas do mundo, devotados a honrar o nome do Pai pela palavra.

+ sobre o tema

Leonardo Boff: Dez lições da crise brasileira

Toda crise acrisola, purifica e faz madurar. Que lições...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

A “selfie” de Obama e o jornalismo apressado

O presidente dos EUA não foi insensível e sua...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

para lembrar

Crônicas no limiar do poético: Baú de miudezas, sol e chuva

Um texto só é um texto se ele oculta...

O caso Maria Julia Coutinho em 14 esquetes

Nós somos Maju porque vivemos e enfrentamos a discriminação...

Não existe bolha para proteger do racismo

Mais um caso de racismo ganha milhares de curtidas...

O cabelo dos meninos pretos – por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva Algo de sinistro acontecia com os...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim como Lélia Gonzalez e Sueli Carneiro, autora importante para entendermos o Brasil de hoje e...

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses passado pela corrupção institucional, te faltaria um pedaço importante de percepção desta terra de mártires...

“Inácia” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.5

— Senhora, senhora! Eu corri atrás da zungueira para entregar-lhe um galho seco e sem cheiro que caíra da bacia que carregava na cabeça....
-+=