Pan-africanismo: o conceito que mudou a história do negro no mundo contemporâneo

A ideologia Pan-africanista surgiu de um sentimento de solidariedade e consciência de uma origem comum entre os negros do Caribe e dos Estados Unidos. Ambos estavam envolvidos numa luta semelhante contra a violenta segregação racial. Essa solidariedade que marcou a segunda metade do séc. 19 propôs a união de todos os povos da África como forma de potencializar a voz do continente no contexto internacional.

Do Palmares

O termo Pan-africanismo foi cunhado pela primeira vez por Sylvester Willians, advogado negro de Trinidad, por ocasião de uma conferência de intelectuais negros realizada em Londres, em 1900. Willians levantava sua voz contra a expropriação das terras dos negros sul-africanos pelos europeus e conclamava o direito dos negros à sua própria personalidade.

Essa reivindicação propiciou o surgimento de uma consciência africana que começou a se expressar a partir do I Congresso Pan-africano, organizado em Paris, em 1919, sob a liderança de Du Bois. Naquela época, Du Bois profetizou que o racismo seria um problema central no século 20 e reivindicou um Código Internacional que garantisse, na África tropical, o direito dos nativos, bem como um plano gradual que conduzisse à emancipação final das colônias.

Repercussão – Após o primeiro, foram realizados outros quatro congressos pan-africanos. No último, foi tratado de aclamar a necessidade da formação de movimentos nacionalistas de massas para obterem a independência da África o mais rápido possível. No Brasil, o Congresso de Cultura Negra realizado a partir da década de 1970 foi o principal reflexo do movimento.

O ativista Abdias Nascimento foi o difusor da importância do Pan-africanismo no país. Considerado um dos maiores defensores da cultura e igualdade para as populações afrodescendentes, ele conseguiu resultados positivos a partir de suas iniciativas na defesa e na inclusão dos direitos dos negros.

A partir das lutas marcadas pelo pan-africanismo, na contemporaneidade o Governo Brasileiro trabalha alternativas políticas e ações afirmativas que garantam a melhoria da qualidade de vida da população afrodescendente. O principal objetivo é o alcance da democracia. O maior desafio continua a ser o racismo. Porém, com um olhar mais sensível, o Estado passa superar os obstáculos do desenvolvimento democrático.

+ sobre o tema

As dores do pós colonialismo

- Folha de S.Paulo 11 de Agosto de 2006...

Luciana Oliveira lança novo trabalho em São Paulo

A cantora brasiliense Luciana Oliveira faz show de lançamento...

Mantenha os cabelos crespos sempre hidratados e com vida

Seus cabelos amanhecem frequentemente embaraçados, armados e sem brilho?...

Barbie negra: Matel lançou 10 novas bonecas para trazer diversidade e representatividade

Barbie negra: A Mattel lançou uma nova coleção de...

para lembrar

Angola: Oralidade angolana fortalece teatro

Luanda - O actor Meirinho Mendes declarou hoje, quinta-feira,...

Racionais: Sobrevivendo no Inferno por Bianca Santana

Neste quinto depoimento a jornalista Bianca Santana fala da...

MPF/SE: Justiça determina fim de ação penal contra quilombolas

Nove moradores da comunidade de Brejão dos Negros...

Gilberto Gil será supervisor musical de “Orfeu Negro” na Broadway

    O cantor e compositor Gilberto Gil será o supervisor musical da...
spot_imgspot_img

Jordan Peele faz anúncio misterioso nas redes sociais

Jordan Peele tem planos para outubro. Ele publicou uma foto com a data de 23 de outubro deste ano em fundo preto e não acrescentou...

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...

Instituto Tebas celebra 194 anos de nascimento de Luiz Gama com caminhada e exibição de vídeo em São Paulo

 Liberdade ou Morte: histórias que a História não conta é o título da web série composta por sete narrativas (fotográficas, textuais e audiovisuais) que destacam a agência...
-+=