‘Papai, te odeio’: O relato chocante de uma menina argentina, vítima de abuso sexual

“Começou quando eu tinha mais ou menos quatro anos, como algo tão inocente como é um urso de pelúcia.”

Do HuffPost Brasil

n-ABUSO-SEXUAL-large570

O relato acima é de Micaela, uma jovem que vive em Buenos Aires, e que hoje tem 17 anos. Ela criou uma página no Facebook, chamada “Por una infancia sin dolor” (“Por uma infância sem dor”, em tradução livre).

No espaço, ela narra como foi sua infância, marcada por abusos sexuais do seu próprio pai. Segundo a jovem, os abusos começaram quando ela tinha quatro anos.

“Ele tinha um gorila e uma ursinha de pelúcia, e me dizia que os dois eram noivos, e que ele iria me ensinar a brincar. Joguei Chicho, o gorila, longe mil vezes, na esperança que tudo fosse terminar”, conta ela.

Em um texto, intitulado “Papai, te odeio”, ela segue: “Pai, como você lê tudo o que publico, espero que também leia isso. Você e seu advogado merecem cair no mesmo inferno. Espero que nem hoje, nem nunca, você possa dormir em paz. Lembre-se da minha voz infantil pedindo que você me deixasse em paz. Espero que isso lhe tire o sono”.

De acordo com o La Nacion, foram profissionais da escola de menina que perceberam que algo estava acontecendo com ela.

Após uma avaliação psicopedagógica, o abuso foi descoberto. A jovem e sua mãe deixaram a casa da família, e denunciaram o pai. “Eu tenho um irmãozinho de sete anos, e minha mãe não trabalha, ela não quer que ele vá preso, suponho que para não perder o dinheiro que ele nos dá para alimentos. Minha mãe soube dos abusos quando era tarde demais“, contou ela ao Crónica.

À mesma publicação, ela contou que, além de estuprá-la, o pai a obrigava a participar de chats pornográficos quando ela tinha sete anos.

Em seus textos, ela pede que vítimas de abuso não se calem: “Me custou muito entender, mas nós não tivemos culpa, e a vergonha tem que ser do abusador, não nossa. Por isso mostro minha cara e digo a todos vocês, que caso saibam de algo, não olhem para o outro lado”.

“Para todos os adultos que me leem neste momento: todos conhecemos um menino ou uma menina, e é responsabilidade de todos fazer com que sua infância seja feliz e sem abusos”.

+ sobre o tema

Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019....

Denunciar para quem? A invisibilização de mulheres faveladas no círculo de proteção da lei Maria da Penha

Resumo: Pretende-se nesse artigo abordar a situação da mulher favelada,...

A identidade, as experiências negras e a alma que sangra

A "cauterização das experiências negras" acontece quando abrem uma...

para lembrar

Homem é condenado por infectar mulheres com HIV no Rio

A Justiça do Rio condenou Renato Peixoto Leal Filho...

Agressão não! Atriz faz vídeo sobre relacionamento abusivo

Evelyn Félix, de 19 anos, compartilhou o vídeo em...

Lugar mais perigoso para mulheres é a própria casa, diz ONU

Segundo o relatório, assassinatos cometidos por parceiros ou familiares...
spot_imgspot_img

Exploração sexual infantil na internet bate recorde em 2023

As denúncias da presença de imagens de abuso e exploração sexual infantil na internet bateram recorde em 2023 – resultado é o maior da...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...
-+=