Para ministra, partidos não financiam campanhas femininas

Para as eleições do próximo dia sete, 52% do eleitorado é feminino, confirmando uma tendência já verificada nas últimas eleições que corresponde aos cerca de 97 milhões de mulheres e 93 milhões de homens residentes no país segundo o Censo 2010. Mas número de eleitas vem caindo. Para Eleonora Menicucci, da Secretaria de Política para as Mulheres, o problema é de ordem financeira.

Por: Rodrigo Otávio

Rio de Janeiro – As aparências enganam ao tomar-se a presidenta Dilma Rousseff como exemplo da participação das mulheres no cenário político formal brasileiro. Entre 188 nações, o país ocupa a 141ᵅ posição no ranking da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o tema. E a questão torna-se mais intrigante ao se comparar tal quadro com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Para as eleições do próximo dia sete, 52% do eleitorado é feminino, confirmando uma tendência já verificada nas últimas eleições que corresponde aos cerca de 97 milhões de mulheres e 93 milhões de homens residentes no país segundo o Censo 2010. O número de candidatas também cresce proporcionalmente, principalmente após a aprovação de cotas de candidaturas femininas na lei eleitoral de 1995. Mas o de eleitas faz o caminho inverso, diminui.

De acordo com dados divulgados no seminário “80 Anos do Voto Feminino no Brasil”, realizado quarta-feira (12) na Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, para as assembleias legislativas estaduais nas eleições de 2002, o percentual de candidatas foi de 14,8, e o de eleitas 12,5. Nas eleições de 2006, as candidatas eram também 14%, mas as eleitas caíram para 11%. Em 2010, 21,28% de candidaturas e 12% de eleitas. Na câmara federal, em 2002, 11,4% de candidatas e 8,2% de eleitas. 12,71% de candidatas e 8,8% de eleitas em 2006. E em 2010, 21,17% de candidaturas femininas e 8,8% de eleitas.

Eleonora Menicucci, ministra da Secretaria de Política para as Mulheres da Presidência da República, não titubeia ao apontar a contribuição dos partidos políticos para tal assimetria. O problema é de ordem financeira. Segundo a ministra, de acordo com a lei 12.034/09, a minirreforma eleitoral, “há a obrigatoriedade da manutenção da proporcionalidade de um mínimo de 30% e um máximo de 70% por sexo na lista de candidaturas por partidos. E a utilização de no mínimo 5% dos recursos do fundo partidário na criação e manutenção de programas de promoção e difusão da participação política das mulheres”.

“Aí está o problema, no financiamento de campanhas, na distribuição de recursos”, afirma Menicucci. “Você tem 100%. 5% para as mulheres é absolutamente desigual. Precisamos, dentro de todos os partidos, enfrentar essa questão de financiamento. Ele tem que ser paritário para homens e mulheres. Há uma desigualdade enorme na distribuição dos recursos, em todos os partidos. A média fica em 5% ou 10% para as mulheres. Isso permeia a cultura política, e nós precisamos mudar essa cultura política”, diz ela.

Realidade
No Rio, entre panfletos e aparições relâmpago na TV ou no rádio, a situação parece ser pior do que a descrita pela ministra. “O que nós temos recebido é um valor muito pequeno, ínfimo, de ajuda financeira, e algum material impresso em quantidade bastante diferente da recebida por homens”, relata Lúcia Reis, candidata a vereadora pelo PT.

Informada sobre a média de 5% a 10% de recursos destinados pelos partidos, ela disse ser difícil fazer esse cálculo no caso petista. “Não posso afirmar isso porque não houve transparência para se conhecer o montante que está disponível para a campanha e o percentual que foi destinado a cada candidatura, especialmente às candidatas. Mas nós temos uma rede na internet em que todas se manifestam e é sempre a mesma coisa, ‘cadê o material?’, ‘faltam recursos’, é uma insatisfação muito grande. Eu já reclamei bastante com o partido de quanto recebi de ajuda financeira, é um valor quase que simbólico”.

No PV, que com Aspásia Camargo representa a única candidatura feminina à prefeitura, a situação não difere. “Eu financio a minha própria campanha, totalmente. Na primeira campanha, que foi muito barato, em termos comparativos evidentemente, e nessa também”, diz a vereadora Sonia Rabello, candidata à reeleição. A discussão do tema com o partido também é difícil, para não dizer inexistente. “O partido nunca me ofereceu. O que eles oferecem é panfleto, da forma que eles querem fazer. Eles oferecem os panfletos aos candidatos ‘em geral'”, completa ela.

Fiscalização
Para a ministra, a paridade financeira entre candidatas e candidatos dentro de um partido virá como consequência de uma série de modificações, “por exemplo, uma reforma política, uma reforma eleitoral, que obrigue os partidos a cumprir a lei. 30% de um sexo, 70% de outro”.

Nesse capítulo, Menicucci se diz otimista com a eleição da ministra Cármen Lúcia para a presidência do TSE. “Tive uma agenda com a ministra Cármen Lúcia e ela nos afirmou ‘que o partido que não apresentasse na sua lista de candidatos a proporção de 70% a 30% não seria aceito’. E ela cumpriu. O dado que temos hoje é que pela primeira vez atingimos 31,8% de candidaturas femininas para cargos legislativos municipal e executivo”, afirma.

E vai além. “E eu tive a paciência de olhar os sobrenomes e os perfis. Apenas 3,8% são ‘laranjas’, ou mulheres que são ligadas por traços consanguíneos a homens que já estavam na política ou que não podiam se candidatar. Isso é muito alvissareiro!”.

Apesar dos bons ventos soprados pela ministra, as candidaturas laranjas das mulheres ainda são uma realidade no Rio. Para a verde Sonia Rabello, “em muitos e muitos casos a candidatura feminina ainda é ‘laranja’ dentro dos partidos. Colocam mulheres para preencher a cota e cumprirem a lei, na verdade buscam alguém, ‘por favor, me dê seu nome’, para não correrem riscos”.

A vereadora diz se perguntar “se essas pró-atividades da lei são eficientes”. “Se eles colocam 30%, e desses 30% uma parte é de candidatura de mulheres ‘laranjas’, como se modifica essa realidade?”, questiona, “com imposição legal ou com uma política cultural mais abrangente, modificando a própria política?”.

Lista
A petista Lúcia Reis crê no voto em lista como a trilha para a maior participação feminina autêntica, sem ‘laranjas’. “Os 30% passaram a ser obrigatórios, mas eles não garantem a participação feminina no resultado eleitoral. Se o voto fosse em lista, conforme o PT inclusive defendeu na reforma política que não foi a frente no Congresso Nacional, a lista seria escalonada para garantir os 30%, e a gente teria uma bancada feminina em qualquer casa legislativa”.

Para ela, “assim como temos as cotas para os alunos da rede pública ou a garantia da presença de negros e de indígenas, que foi uma maneira de começarmos a fazer o processo de reversão da discriminação, na política seria o mesmo caso. Com lista o voto seria na legenda partidária, a lista seria definida nos congressos dos partidos, e eles obrigatoriamente teriam que colocar os nomes com esse percentual de 30% garantido”.

 

 

Fonte: Carta Maior

+ sobre o tema

Estrela gay do pop russo Zelimkhan Bakaev, torturado e morto na Chechênia Anti-Gay

Fontes informam que o cantor russo Zelimkhan Bakaev foi...

‘É como queimar sutiãs’, diz Daniela Mercury após casamento com uma jornalista

Cantora falou sobre relacionamento com a jornalista Malu Verçosa. Ela...

Nos EUA, meninas africanas relembram dor da circuncisão

Motivo de preocupação de direitos humanos no exterior, mutilação...

Juventude Viva chega a Paraíba

Solenidade de lançamento do Plano será na segunda-feira (12/08),...

para lembrar

A ética da outra

A terceira pessoa que surge na vida de um...

Salário das mulheres recupera defasagem em relação ao dos homens

As mulheres estão avançando para a redução da defasagem...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=