Parceria da AJURIS no combate à violência doméstica

A AJURIS vai participar de um projeto para beneficiar mulheres que fazem uso de medidas protetivas, criado pelo Instituto da Mulher Negra de São Paulo – Geledés, e a Themis Assessoria Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero. 

Representantes das duas instituições visitaram, na tarde desta sexta-feira (6/6), a direção da Associação para apresentar a ideia. Trata-se de um aplicativo específico para que as mulheres vítimas de violência doméstica em contato direto com a rede de proteção a partir do seu ingresso nas medidas protetivas.

O projeto do Aplicativo é vencedor do Desafio Social Google 2013, que selecionou quatro instituições no Brasil para criar tecnologias sociais. A proposta venceu o prêmio do Juri Popular. A tecnologia está em desenvolvimento no TecnoPuc  e será disponibilizada aos juízes das varas de violência contra a mulher para que, ao emitirem uma medida de proteção, também disponibilizem o App que conectará essas mulheres aos serviços de segurança e às redes da sociedade civil.

“O App está ainda em desenvolvimento, mas achamos importante pedir o apoio da AJURIS, pensar juntos, envolver e receber sugestões, disse Sueli Carneiro, coordenadora executiva do Geledés.  “Será que os juízes vão achar que isso ajuda no trabalho deles? Se não ajudar, não faz sentido”, justificou.

O presidente da AJURIS, Eugênio Couto Terra, e o vice-presidente Administrativo, Gilberto Schäfer, receberam as primeiras informações do projeto e já disponibilizaram a parceria para viabilizar os testes . Ficou acertado que os gestores do programa trarão à sede da AJURIS os responsáveis no TecnoPuc  pela criação do aplicativo, para apresentar aos juízes. A data será divulgada posteriormente e deverá ocorrer no mês de julho.

O App poderá ser disponibilizado a todos os 27 estados brasileiros. “Como o Rio Grande do Sul tem esse caráter de pioneirismo em experiências de acesso à Justiça, a diretoria da AJURIS  é preocupada com isso, a gente pensou em fazer o piloto aqui. Nosso primeiro passo foi vir conversar com a diretoria”, explica Denise Dora, presidente do Conselho Diretor da Themis.

“O retorno positivo desta instituição aumenta nossa convicção sobre a pertinência e justeza dessa iniciativa”, declarou Sueli.

Fonte:Ajuris

+ sobre o tema

Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019....

Denunciar para quem? A invisibilização de mulheres faveladas no círculo de proteção da lei Maria da Penha

Resumo: Pretende-se nesse artigo abordar a situação da mulher favelada,...

A identidade, as experiências negras e a alma que sangra

A "cauterização das experiências negras" acontece quando abrem uma...

para lembrar

Homem é condenado por infectar mulheres com HIV no Rio

A Justiça do Rio condenou Renato Peixoto Leal Filho...

Agressão não! Atriz faz vídeo sobre relacionamento abusivo

Evelyn Félix, de 19 anos, compartilhou o vídeo em...

Lugar mais perigoso para mulheres é a própria casa, diz ONU

Segundo o relatório, assassinatos cometidos por parceiros ou familiares...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Fórum em Barbados discute as grandes temáticas do feminismo negro 

“O que o poder do feminismo negro significa hoje?”. Essa pergunta intrigante e provocativa foi temática de um dos painéis do Fórum dos Feminismos...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...
-+=