Partidos se unem em lançamento de pacto pela democracia

Documento defendido por uma coalizão de movimentos pede pluralismo e tolerância na política

no Folha de São Paulo

Representantes de movimentos e partidos no lançamento do Pacto pela Democracia – Alícia Peres/Divulgação

Do esquerdista PSOL ao liberal Novo, partidos que costumam divergir um do outro se uniram no lançamento de um pacto em defesa da democracia no país. Representantes de pelo menos oito siglas participaram do evento de apresentação do documento, na noite desta quarta-feira (13), em São Paulo.

A iniciativa partiu de mais de 60 organizações e movimentos da sociedade civil —os institutos Ethos, Igarapé, Alana e Sou da Paz estão entre os signatários.

Grupos que pregam renovação política, como Agora!, Acredito, RenovaBR, Brasil 21, Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), Bancada Ativista, Frente Favela Brasil e Nova Democracia também integram a coalizão.

O texto do Pacto pela Democracia diz que “o Brasil vive um momento decisivo” e que “poucas vezes foi tão difícil afirmar o pluralismo, a tolerância e o convívio com a diferença no espaço público”. A proposta é superar diferenças para combater o desgaste das instituições e lutar pela igualdade de direitos e pelo respeito à diversidade.

Nos discursos no auditório do Pavilhão da Bienal, o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e as manifestações que clamam por uma intervenção militar foram lembrados como exemplos de ameaça à democracia.

“As demandas por opções autoritárias se confundem com iniciativas erráticas e desordenadas por diferentes grupos da sociedade”, afirmou a socióloga Maria Alice Setubal, conhecida como Neca Setubal, em artigo sobre o pacto publicado nesta quinta (14) na Folha.

Neca, que participou do ato de lançamento, ecoou o discurso de outros convidados.

​”Estas eleições oferecem uma oportunidade para avançarmos”, disse no palco Oded Grajew, conselheiro da Rede Nossa São Paulo e do Programa Cidades Sustentáveis. Ele afirmou que é preciso batalhar para que a população vote em outubro com consciência e responsabilidade.

Pré-candidatos ao Legislativo de vários partidos (PT, PSDB, Novo, Rede, PPS, PV, PSOL e PDT) se disseram comprometidos com as ideias do texto e com a defesa de valores como ética e respeito às diferenças.

“Se a classe política não aderir ao pacto e não conseguir contaminar seus pares nesse sentido, ele não será efetivo”, advertiu o ativista Marcio Black, do movimento Bancada Ativista.

Entre os políticos com mandato que compareceram ao evento estavam os vereadores Eduardo Suplicy (PT-SP) e Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e o deputado estadual Carlos Bezerra Jr. (PSDB-SP), todos pré-candidatos ao Legislativo.

Cidadãos, organizações e políticos podem aderir ao pacto, incluindo a assinatura pelo site www.pactopelademocracia.org.br.

+ sobre o tema

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as...

para lembrar

Assaltante branco se disfarça de negro

Ladrão de bancos usou uma máscara para...

Foi preciso que um jornal estrangeiro reconhecesse o que Haddad vem fazendo em São Paulo. Por Paulo Nogueira

E foi preciso que uma publicação estrangeira reconhecesse o...

Após almoço com Dilma, Ciro se diz “disciplinado” e declara apoio ao PT

Por: Camila Campanerut O deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE)...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...

Fome extrema aumenta, e mundo fracassa em erradicar crise até 2030

Com 281,6 milhões de pessoas sobrevivendo em uma situação de desnutrição aguda, a ONU alerta que o mundo dificilmente atingirá a meta estabelecida no...

Presidente de Portugal diz que país tem que ‘pagar custos’ de escravidão e crimes coloniais

O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, disse na terça-feira que Portugal foi responsável por crimes cometidos durante a escravidão transatlântica e a era...
-+=