Passistas se unem contra machismo e racismo no Carnaval

Projeto ‘Samba, pretinha’ dá voz à mulher no samba

Do Bar de Batom

Reprodução / Facebook Samba, pretinha

Além de campanhas nas ruas, no WhatsAppblocos engajados e fantasias girl power, mais uma iniciativa para combater o machismo no Carnaval está sendo idealizado por passistas cariocas. É o projeto Samba, pretinha, que completa dois anos de sucesso e engajamento contra o preconceito de gênero e de raça na folia.

Larissa NevesMirna MoreiraRafaela Dias e Sabrina Ginga são os nomes das idealizadoras da ação. Todas são passistas da Salgueiro e universitárias – de psicologia, medicina, educação física e ciências sociais, respectivamente. Por meio de palestras em escolas municipais e quadras de escolas de samba, o objetivo das ativistas é dar voz a todas as passistas e debater o papel da mulher no samba.

Tudo começou quando Mirna sofreu ataques racistas nas redes sociais. A partir daí, as amigas decidiram que era o momento de agir. Elas começaram então uma roda de conversa dentro da Salgueiro para debater o assunto e, aí, acabaram percebendo um problema maior: que as passistas não tinham voz, nem dentro e nem fora das escolas de samba.

Foi aí que nasceu o Samba, pretinha. Desde então, essas mulheres tomaram seu lugar de fala e vêm discutindo o machismo e o racismo ainda muito presentes no Carnaval e na relação da sociedade com elas na posição de passistas, passando por temas como hipersexualização e objetificação da mulher negra, autoestima, além de formas de agir e se defender.

Em entrevista recente ao blog de Ancelmo Gois, no jornal O Globo, Mirna Moreira esclareceu a necessidade da iniciativa. “Esse olhar que nos vê como objeto passa pela questão da não profissionalização das passistas. Não nos levam a sério. Usamos pouca roupa, mas nosso corpo não está disponível. Ele é nosso, ninguém pode terceirizar o que não é seu.”

É HOJEEEE ❤ Ansiedade nível: Só entende quem é Salgueiro!

Uma publicação compartilhada por Mirna Moreira (@mirna3m) em

Esse ano, o projeto segue com ações e promete bastante empoderamento feminino e a exigência de respeito às mulheres tanto na Marquês de Sapucaí, como em outros carnavais e, claro, no ano todo.

Foto: Divulgação/Facebook Samba, pretinha

+ sobre o tema

Iniciativas selecionadas para a segunda fase da terceira edição do edital Elas Periféricas

135 organizações/coletivos foram selecionados para a segunda fase do...

Como as mulheres tornaram os EUA uma máquina de medalhas

Durante um bom tempo, o número de esportes olímpicos...

Serena Williams exige desculpas de jornalista e mita até na entrevista coletiva

Na entrevista coletiva após a partida entre Serena Williams...

Congresso Mundial contra o câncer de mama acontece em Salvador

Mais de três mil mulheres podem ser detectadas com...

para lembrar

África do Sul tem primeira comandante militar negra do país

CIDADE DO CABO — Em duas décadas, Zimasa Mabela...

A mulher negra e suas contribuições para o Brasil em pauta na Unesc

Encontro comemora o Dia Mundial da Mulher Negra Do Engeplus A...

A difícil vida de uma menina deusa no Nepal

Samita Bajracharya é uma menina de 12 anos que...

Marinete da Silva, mãe de Marielle, passa a integrar Comissão da Mulher da OAB-RJ

Marinete da Silva, mãe de Marielle Franco, entrou para...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=